Primeira namorada aos 29

A norte-americana Toni Pressley , namorada da atleta brasileira Marta Silva, enfrentou recentemente um câncer de mama. Também jogadora de futebol, ela recebeu o apoio de seus familiares, amigos ... Aos 29 anos, Reeva Steenkamp não era apenas a namorada do principal nome do esporte paralímpico mundial, Oscar Pistorius.Além do posto de 'primeira-dama', a loira era uma das principais modelos ... Foram oito anos peregrinando por times da Itália e Holanda, com números pouco expressivos e muitos empréstimos. Mas, aos 29 anos, Graziano Pellè estourou. Convocado pela primeira vez pela Itália para os próximo Um novo amor: Keanu Reeves assume primeira namorada após 20 anos! Keanu Reeves está apaixonado! O astro de 'John Wick' e 'Matrix' está em um relacionamento sério com Alexandra Grant. Zélia Duncan se descobriu ser lésbica aos 16 anos, quando começava a carreira de cantora.Em live da Vogue Brasil com a ex-BBB e ativista LGBTQIA+ Gabriela Hebling, Zélia, de 55 anos, relembrou que evitava usar a palavra “sapatão”, mas que hoje fala com naturalidade. No mês da visibilidade lésbica, a Vogue terá várias lives com um time de mulheres inspiradoras. Se os amores e traições de Boris Johnson são polémicos, nem imagina como é a história de Carrie Symonds, a 'primeira-namorada' Todos os olhos estão agora voltados para a jovem de 31 anos, antiga diretora de comunicação do partido conservador, que conquistou o coração do primeiro-ministro britânico. Embora as mulheres queiram ter o primeiro filho aos 31 anos, os homens consideram que o ideal é elas darem à luz pela primeira vez aos 25. Ambos os sexos concordaram que ter dois filhos é o ... Aos 43 anos, Brnabic é a primeira mulher, mas também a primeira homossexual a liderar um governo na Sérvia. Agora, com o nascimento de Igor, a governante também faz história. Primeira namorada aos 12 anos. Aos 12 anos teve a primeira namorada, Isabel Coelho Alves. O pedido de namoro aconteceu durante uma aula de ténis, na Escola de Ténis do Estoril. Namoraram cerca de dois anos. Com 24 anos casou-se com Ana Cristina Motta Veiga, a primeira e única mulher do antigo comentador da TVI. Conheceram-se numa festa de ... Aos 79 anos, Roberto Carlos pode ter deixado o time dos solteiros. O cantor engatou namoro com a cantora e ex-participante do The Voice Brasil Tamara Angel, de 27, segundo o programa A Tarde é ...

A Carreira de Bruno Fernandes em Números

2020.09.09 04:41 futebolstats A Carreira de Bruno Fernandes em Números

Quando cita-se um dos melhores meias da atualidade, o nome de Bruno Fernandes que atualmente atua pelo Manchester United da Inglaterra e pela Seleção Portuguesa, deve ser levado em conta.
Bruno Miguel Borges Fernandes nasceu em 08/09/1994 em Maia, Portugal. Apesar de ser português, Bruno Fernandes iniciou sua carreira como profissional fora de seu país, no Novara que na época jogava na 2ª divisão do futebol italiano. Porém, o que mais se sabe sobre Bruno Fernandes? Por quais clubes atuou até aqui? Quais feitos atingiu ao longo de sua carreira?

Juvenil

Nascido em Maia, região metropolitana de Porto, Bruno Fernandes é o filho caçula, Ricardo é o irmão mais velho. Sabe-se que Bruno tinha o mesmo sonho de muitas crianças, tornar-se jogador de futebol, mas o curioso disso é que para ele, não havia “plano B”. Aos 8 anos de idade – no ano de 2002 -, Bruno deu o primeiro passo para a concretização de seu sonho, ingressou nas categorias de base do Infesta, clube da cidade de São Mamede de Infesta, concelho de Matosinhos, distrito de Porto.
Aos 11 anos de idade, ingressou nas categorias de base do Boavista e assim que passou a jogar por este clube, Bruno abandonou a escola. Posteriormente, foi emprestado para o Pasteleira e depois de atuar nesse clube, voltou a atuar pelo Boavista, clube pelo qual aperfeiçoou suas habilidades que são características do seu estilo atual de jogo.
Em 2012, surgiu a proposta para jogar num clube de outro país e Bruno Fernandes aceitou o desafio de jogar por uma equipe do futebol italiano.

A Carreira de Bruno Fernandes em Números

Novara

Categorias de Base

Em 27 de agosto de 2012, Bruno Fernandes foi anunciado como novo reforço do Novara Calcio, clube que é popularmente conhecido como Novara. Estima-se que o clube italiano tenha desembolsado 40 mil euros (cerca de 250 mil reais) para ter o jovem meia português em seu plantel. Não demorou muito para Bruno ser promovido ao time principal da equipe italiana, porém passou por muitas dificuldades no novo clube, tais como o idioma, saudades de casa e em decorrência destes e de outros fatores, Bruno Fernandes quase desistiu de se tornar jogador profissional de futebol. No entanto, mais tarde, graças a intervenções de amigos e familiares, particularmente da ida de sua namorada para a Itália, deu forças para Bruno seguir adiante.
Antes de estrear profissionalmente, Bruno Fernandes jogou algumas partidas da Primavera A (Campeonato Italiano Sub-19) e logo na sua estreia, marcou um dos gols da vitória por 2-1 sobre o Livorno. Em 27/10/2012, Bruno marcou os gols do triunfo por 2-1 sobre o Cagliari e pouco tempo depois, passou a treinar com o time principal do Novara.

2012-13

Em 3 de novembro de 2012, em jogo da 13ª rodada da Serie B (2ª divisão do futebol italiano), Giacomo Gattuso – até então técnico do Novara – promoveu a estreia de Bruno como profissional quando o colocou em campo aos 32 minutos da segunda etapa no lugar de Simone Pesce, mas no seu primeiro jogo como profissional, os “azzurri” – Novara – perderam para o Cittadella por 1-0. Duas semanas depois, o clube anunciou que Alfredo Aglietti seria o novo treinador do clube, pois até então, Giacomo Gattuso só estava comandando o time até a contratação de um novo técnico e com isso, voltou a comandar as equipes de base do clube.
Em 26 de janeiro de 2013, em jogo da 23ª rodada da Serie B, Alfredo Aglietti promoveu a estreia de Bruno Fernandes como titular e no seu primeiro jogo entre os titulares, o Novara venceu o Empoli por 2-0.
Em 22/02/2013, em partida válida pela 27ª rodada da 2ª divisão do Campeonato Italiano, o jovem meia português marcou seu primeiro gol como profissional na goleada por 6-0 sobre o Spezia Calcio. Na rodada seguinte do campeonato, em 26/02/2013, o camisa 32 dos “Azzurri” – Bruno Fernandes – marcou o único gol da equipe no empate em 1-1 com o Ternana.
Em 28/03/2013, em jogo da 34ª rodada da Serie B, Bruno Fernandes saiu do banco para substituir Daniele Buzzegoli aos 24 minutos da segunda etapa e antes do fim da partida, fez 1 gol e proveu assistência para o gol de Pablo González na goleada por 6-2 sobre o Cittadella. Na rodada seguinte da 2ª divisão do futebol italiano, em 06/04/2013, o camisa 32 dos “Azzurri” marcou seu 4º e último tento nessa temporada no triunfo por 3-2 sobre o Sassuolo no Silvio Piola (estádio do Novara).
Com o término da fase dos pontos corridos desta edição da Serie B, o Novara terminou em 5º lugar e com isso, disputou a fase de play-off para a Serie A (1ª divisão do futebol italiano), contudo teria de passar pelo Empoli e com um empate em 1-1 no primeiro confronto e um revés por 4-1 no segundo confronto, o Novara não obteve o acesso para a Serie A.
PdGmACACVMj na temporada 2012-13
297 2 401949
Pd – Partidas disputadas; Gm – Gols marcados; A – Assistências; CA – Cartões amarelos; CV – Cartões vermelhos e Mj* – Minutos jogados

Udinese

2013-14

Na janela de transferências de verão – julho de 2013 -, a Udinese anunciou a contratação de Bruno Fernandes. O clube que disputa a 1ª divisão do futebol italiano desembolsou 2,5 milhões de euros (cerca de 15,6 milhões de reais) para contar com o futebol do jovem meio-campista português.
Assim como ocorreu quando atuava pelo Novara, Bruno Fernandes começou atuando pela equipe sub-19 da Udinese, onde fez 1 gol em 3 partidas disputadas. As atuações de Bruno Fernandes pela equipe sub-19 da Udinese fez com que Francesco Guidolin – técnico do time principal da Udinese nessa época – o integrasse ao elenco principal do clube e com isso, em 3 de novembro de 2013, o português fez a sua estreia pelo novo clube quando entrou no lugar de Roberto Pereyra aos 12 minutos do segundo tempo. Contudo, os Friulianos – Udinese – perderam para a Internazionale por 3-0 na estreia de Bruno Fernandes. Na rodada seguinte do campeonato nacional, em 09/11/2013, o jovem meia de 19 anos fez a sua estreia como titular no revés por 1-0 ante o Catania.
Em 07/12/2013, em jogo da 15ª rodada da Serie A, Bruno Fernandes marcou seu primeiro tento pelo novo clube no empate em 3-3 com o Napoli. Além do tento marcado, também proveu assistência para o gol de Thomas Heurtaux.
Em 8 de fevereiro de 2014, em partida válida pela 23ª rodada do Campeonato Italiano, o jovem meia português entrou em campo aos 22 minutos da segunda etapa no lugar de Maicosuel e 7 minutos depois, marcou seu 2º tento nessa temporada na vitória por 3-0 sobre o Chievo no Stadio Friuli (estádio da Udinese). Além de ter feito 1 gol, também contribuiu com assistência para o gol de Emmanuel Badu. Na rodada seguinte do campeonato nacional, em 16/02/2014, atuou como titular e fez o segundo gol dos Friulianos no empate em 3-3 com o Genoa fora de casa.
Em 19/04/2014, em jogo da 34ª rodada da Serie A, Bruno Fernandes marcou seu 4º e último tento nessa temporada e sendo assim, a Udinese empatou em 1-1 com o Napoli no Stadio Friuli.
Em suma, na sua 1ª temporada com a camisa dos “Friulianos”, Bruno Fernandes disputou 28 partidas, fez 4 gols e proveu 6 assistências. Quanto a Udinese, terminou em 13º no Campeonato Italiano, chegou à semifinal da Copa da Itália e caiu na fase pré-eliminatória da UEFA Europa League.
PdGmACACVMj na temporada 2013-14
326 6 602071
6 gols dos quais 4 foram pela Serie A, 1 na Fase Final da Primavera B e 1 na Coppa Primavera

2014-15

Após o fim da temporada 2013-14, Francesco Guidolin não teve seu contrato ampliado e com isso, a Udinese resolveu apostar suas fichas em Andrea Stramaccioni.
Depois de iniciar as duas primeiras rodadas da Seria A saindo do banco e entrando no decorrer dos jogos, em 21 de setembro de 2014, confronto válido pela 3ª rodada do campeonato nacional, Bruno Fernandes atuou como titular na vitória por 1-0 sobre o Napoli no Stadio Friuli.
Em 05/10/2014, em jogo da 6ª rodada da Serie A, o jovem meia português marcou seu primeiro tento nessa temporada no empate em 1-1 com o Cesena no Stadio Friuli.
Pelo confronto da 4ª fase da Copa da Itália em 03/12/2014, Bruno Fernandes marcou seu 2º tento nessa temporada no triunfo por 4-2 sobre o Cesena na prorrogação. Além do tento marcado, Bruno também contribuiu com assistência para o gol de Allan. Na fase seguinte, a Udinese foi eliminada pelo Napoli nos pênaltis. Quatro dias após a vitória sobr, desta vez em jogo válido pela 14ª rodada da Serie A, o camisa 8 da Udinese – Bruno Fernandes – marcou o primeiro gol do triunfo por 2-1 sobre a Internazionale em pleno Giuseppe Meazza.
Em 31 de maio de 2015, em partida válida pela última rodada (38ª) desta edição do Campeonato Italiano, o português encerrou essa temporada com 1 gol e assistência para o tento marcado por Rodrigo Aguirre no revés por 4-3 ante o Cagliari fora de casa. Porém, também é importante mencionar que fez um gol contra nesse jogo.
Em suma, na sua 2ª temporada com a camisa dos “Friulianos”, Bruno Fernandes disputou 34 partidas, fez 4 gols e proveu 3 assistências. Quanto a Udinese, terminou em 16º lugar no Campeonato Italiano, duas posições acima da zona do rebaixamento, e chegou às oitavas de final da Copa da Itália.
PdGmACACVMj na temporada 2014-15
344 3 601888
4 gols dos quais 3 foram pela Serie A e 1 pela Copa da Itália

2015-16

Após o fim da temporada 2014-15, Andrea Stramaccioni não permaneceu como treinador da Udinese e com a saída deste técnico, o clube resolveu apostar suas fichas em Stefano Colantuono.
Na estreia da Udinese nessa edição da Serie A em 23 de agosto de 2015, contando com Bruno Fernandes como titular, os Friulianos venceram a Juventus – atual campeã italiana – por 1-0 em pleno Allianz Stadium.
Em 22/09/2015, em jogo da 5ª rodada da Serie A, o português recebeu o seu primeiro cartão vermelho da carreira no revés por 3-2 ante o Milan no Stadio Friuli.
Em 13 de março de 2016, em partida válida pela 29ª rodada do Campeonato Italiano, o camisa 8 da Udinese marcou seu primeiro tento nessa temporada na derrota por 2-1 diante da Roma no Stadio Friuli. Esse revés custou a demissão de Stefano Colantuono e com isso, o clube contratou Luigi De Canio para comandar o time nesse restante de temporada.
Pela 31ª rodada da Serie A, em 03/04/2016, o português marcou seus 2 últimos tentos nessa temporada no triunfo por 3-1 sobre o Napoli no Stadio Friuli.
Em suma, na sua última temporada com a camisa dos “Friulianos”, Bruno Fernandes disputou 33 partidas, fez 3 gols e proveu 4 assistências. Quanto a Udinese, terminou em 17º lugar no Campeonato Italiano, apenas uma posição acima da zona de rebaixamento, e chegou às oitavas de final da Copa da Itália.
PdGmACACVMj na temporada 2015-16
333 4 912300
Gols marcados na Serie A

Sampdoria

2016-17

Bruno Fernandes sendo apresentado como novo reforço da Unione Calcio SampdoriaEm 16 de agosto de 2016, a Udinese fez um empréstimo caro (1 milhão de euros) com uma obrigação de resgate financeiro em 6 milhões de euros (cerca de 37,5 milhões de reais) para a Sampdoria, onde lhe foi dado a camisa de número 10.
Em 28/08/2016, em jogo da 2ª rodada da Serie A, Marco Giampaolo – técnico da Sampdoria nessa época – promoveu a estreia de Bruno Fernandes quando o colocou em campo aos 39 minutos do segundo tempo no lugar de Édgar Barreto na vitória por 2-1 sobre a Atalanta no Luigi Ferraris (estádio da Sampdoria).
Pela 6ª rodada da Serie A em 26/09/2016, o jovem meia português entrou em campo aos 35 minutos da segunda etapa no lugar de Dennis Praet e 6 minutos depois, fez seu primeiro gol com a camisa da Samp, mas ainda assim, derrota por 2-1 ante o Cagliari fora de casa. Na rodada seguinte do campeonato nacional, em 29/09/2016, o novo camisa 10 da Samp entrou em campo aos 19 minutos do segundo tempo no lugar de Karol Linetty e no apagar das luzes, fez o gol que evitou a derrota para o Palermo no Luigi Ferraris. Em outras palavras, as duas equipes empataram em 1-1.
Em 22/10/2016, em partida válida pela 9ª rodada do Campeonato Italiano, Marco Giampaolo escalou Bruno Fernandes pela primeira vez entre os titulares e na sua estreia como titular, a Samp venceu o “Derby della Lanterna” – nome dado ao clássico entre Genoa e Sampdoria – por 2-1. Posteriormente, o jovem meia português voltou a ser reserva depois de 3 jogos.
Em 27/11/2016, em jogo da 14ª rodada da Serie A, o português entrou em campo aos 7 minutos do segundo tempo no lugar de Ricardo Álvarez e 20 minutos depois, fez o gol do time no empate em 1-1 com o Crotone fora de casa. Ora reserva, ora titular, Bruno Fernandes estava cavando o seu espaço entre os titulares.
Após o gol marcado contra o Crotone, Bruno Fernandes passou por um “jejum de gols”, ao qual pôs um fim em 4 de março de 2017 em jogo da 27ª rodada da Serie A, ao qual a Sampdoria venceu o Pescara por 3-1. Além de ter feito 1 gol, o português também proveu assistências para os gols de Fabio Quagliarella e de Patrik Schick.
Pela partida da 31ª rodada do Campeonato Italiano, em 09/04/2017, o camisa 10 da Samp marcou seu 5º e último tento nessa temporada no empate em 2-2 com a Fiorentina no Luigi Ferraris.
Em suma, na sua 1ª e única temporada com a camisa da Samp, Bruno Fernandes disputou 35 partidas, fez 5 gols e proveu 3 assistências. Quanto a Sampdoria, terminou em 10º lugar no Campeonato Italiano e chegou às oitavas de final da Copa da Itália.
PdGmACACVMj na temporada 2016-17
355 3 201845
Gols marcados na Serie A

Sporting

2017-18


PdGmACACVMj na temporada 2017-18
5616 20 1204707
16 gols dos quais 11 foram pela Primeira Liga, 3 pela UEFA Europa League, 1 pela UEFA Champions League e 1 pela Taça de Portugal

2018-19


PdGmACACVMj na temporada 2018-19
5332 18 1604688
32 gols dos quais 20 foram pela Primeira Liga, 6 pela Taça de Portugal, 3 pela UEFA Europa League e 3 pela Taça da Liga

2019-20


PdGmACACVMj na temporada 2019-20
2815 14 1212474
15 gols dos quais 8 foram pela Primeira Liga, 5 pela UEFA Europa League e 2 pela Taça da Liga
Títulos que conquistou no Sporting - Taça da Liga: 2017-18 e 2018-19 - Taça de Portugal: 2018-19
- O vídeo abaixo mostra todos os gols que Bruno Fernandes marcou com a camisa do Sporting - Este vídeo foi publicado no YouTube em 1º de fevereiro de 2020por FOOTBALL GURUS

Manchester United

2019-20


PdGmACACVMj na temporada 2019-20
2212 8 301832
12 gols dos quais 8 foram pela Premier League, 3 pela UEFA Europa League e 1 pela Copa da Inglaterra

Números de Bruno Fernandes na Seleção Portuguesa

Portugal

Seleções de Base


Olimpíadas do Rio de Janeiro 2016


PdGmACACVMj
30200270

Seleção Principal


Copa do Mundo FIFA de 2018


PdGmACACVMj
20 0 1088

Liga das Nações da UEFA A 2018-19


PdGmACACVMj
30 0 00172

Eliminatórias da Euro 2020


Liga das Nações da UEFA A 2020-21


PdGmACACVMj
20 1 00180

Títulos que conquistou pela Seleção Portuguesa - Liga das Nações da UEFA2018-19

TOTAL

PdGmACACVMj
2124101228
Prêmios individuais - Jogador do Mês da Primeira Liga: Agosto de 2017, Setembro de 2017, Abril de 2018, Dezembro de 2018, Março de 2019 e Abril de 2019 - Equipe Ideal da Primeira Liga: 2017-18 e 2018-19 - Seleção da UEFA Europa League: 2017-18 e 2019-20 - Futebolista do Ano da Primeira Liga: 2017–18 e 2018-19 - Melhor Jogador do Mês da Premier League: Fevereiro de 2020, Junho de 2020
Artilharias - UEFA Europa League 2019–20: 8 gols

Considerações Finais

O post A Carreira de Bruno Fernandes em Números apareceu primeiro em Futebol Stats.
from Futebol Stats https://bit.ly/3idjJcw
via IFTTT
submitted by futebolstats to SiteFutebolStats [link] [comments]


2020.08.06 06:08 denesfernando Sou Babaca Por Querer Que O Namorado Da Minha Amiga Não Passe Mais A Quarentena Aqui E Volte Pra Casa Dele?

Olá Luba, editores, gatas e Turma. Essa história que vou compartilhar aqui é recente, ainda estou tratando em terapia, mas ela começa um pouquinho lá atrás.
Um ""pouco"" de background para situar a todos de onde tudo isso começou.
Em 2013 comecei namorar um cara que vou chamar de Karen, por ele ser muito, mas muito CUSÃO (inclusive, ele se parece muito com você Luba e por vocês serem tão idênticos, eu passei um bom tempo sem assistir o canal, pois não conseguia te ver sem lembrar dele). Mas, enfim, em 2015 ele e o grupo da faculdade dele decidiram morar todos juntos em uma casa perto da faculdade, pois estava exaustivo para todos trabalharem em pontos distintos da cidade (São Paulo, para se alguém quiser se situar).
Então, em janeiro de 2016, eles se mudaram e eu ia para lá aos fins de semana, até que acabei me mudando para a casa em Junho do mesmo ano, no dia do meu aniversário.
Pois bem, foi uma fase horrível da minha vida por causa do meu ex, terminamos em maio de 2017 e tive que sair da casa. Esse meu ex era um abusador, um aproveitador, a pior pessoa que eu poderia ter conhecido na minha vida. Os abusos psicológicos que ele cometeu comigo, afetaram totalmente minha confiança e em como eu viria a me relacionar com outros caras, fora as crises de ansiedade que eu arrasto até hoje.
Mas então, eu fiquei amigo dos amigos dele da faculdade e em especial da Karls que virou minha melhor amiga.
Em 2017 eles terminaram a faculdade e em 2018 o contrato da casa venceu e eles finalmente poderiam se mudar, áquela altura ninguém suportava mais olhar pra cara do Karen.
Então, foi nesse momento, que a Karls e o Akarls me chamaram para vir morar com eles numa nova casa. Sem o Karen. E hoje nós três vivemos como uma família feliz com os nossos pets.
2019
Eu conheci um cara, eu vou chamar ele de Lars.
Lars e eu começamos a trocar mensagens, se conhecer, nos aproximarmos. Até então, antes dele, todos os outros caras que eu acabei ficando, não davam certo, (tem muito gay problemático nessa cidade). Mas Lars foi diferente, conforme nos conhecíamos, ele ia transpondo todas as muralhas que eu usava como defesa, pois meu maior medo seria voltar para um relacionamento abusivo, tóxico e doentio.
Com o Lars eu fui bem devagar, realmente queria conhecer ele, pra ver se o que eu estava sentindo era o certo e se ele não iria me fazer mal.
Nesse tempo conhecendo ele, eu desabafava com Karls todas as minhas inseguranças, pois ela tinha vivido todo o meu drama com o meu ex, ela sabia dos meus medos, receios, inseguranças em me relacionar com alguém e ela me dava todo o apoio, pra poder voltar a acreditar e saber que nem todo mundo é igual o Karen, que na verdade eu dei azar com o Karen, mas que não seria assim de novo.
Depois de tantos embates sobre minhas agruras eu acabei me desarmando e me permiti começar algo com o Lars.
Um mês e meio depois, finalmente decidi trazer ele em casa, para conhecer meus amigos e 😏.
Então, foi nesse fim de semana de novembro de 2019 que coisas aconteceram.
Depois de ficarmos, acabei aceitando os meus sentimentos por ele, pensei que depois de tanto tempo solteiro, passando por aventuras fracassadas com pessoas que não se encaixavam, onde a química só proporcionava uma reação inicial. Ali estava talvez o momento de poder compartilhar momentos com alguém.
Mas aquele início de sonho desmoronou muito rápido. No domingo quando ele estava pra sair para trabalhar, Lars me contou que iria para o Beto Carrero com um amigo. Fui pego de surpresa, pois ele não havia mencionado nada nas nossas conversas durante a semana.
Na época, Lars trabalhava como bartender numa cafeteria e reclamava de trabalhar muito, não ter finais de semana livres e só folgar nas segundas-feiras.
Como não tínhamos oficializado nada, nossa primeira vez foi na noite anterior e o fato de estar disposto a querer começar a construir uma relação tinha sido algo que eu havia arrazoado no meu coração, achei absurdo demais eu questionar porque ele não tinha me falado nada antes.
Tudo bem, ele iria no Beto Carrero com um amigo, logo após sair da cafeteria. Pegaria o ônibus na estação do Tietê no domingo a noite, passaria o dia no parque, já que a folga seria na segunda, e na segunda a noite ele voltaria e iria trabalhar na terça-feira de manhã. Eu, pelo menos, imaginei que seria assim.
Na segunda-feira, eu fui trabalhar normal, vi as fotos dele no Beto Carrero, os stories no Instagram aparentemente nada de estranho, mas a primeira coisa que me chamou a atenção foi o fato dele não ter postado um único story com o amigo, mas até aí, se eu encucasse com isso, seria uma atitude tóxica e eu não queria isso. Numa relação deve existir confiança.
Nós não nos falamos o dia inteiro, pois eu não iria ficar o importunando num passeio como aquele, que ele aproveitasse o máximo possível. Foi quando às 18:00 eu resolvi mandar uma mensagem para ele, já que eu estava saindo do trabalho.
A mensagem era mandando um "oi" e desejando que ele tivesse se divertido bastante e fizesse uma viagem tranquila de volta.
Foi quando ele me respondeu que não voltaria aquela noite, que ele iria para Balneário Camboriú com o amigo passear de barco. Eu fiquei completamente sem reação, foi um choque. Ele só reclamava de como o trabalho explorava ele, não era flexível e do nada, de uma viagem totalmente espontânea que aconteceu aleatoriamente pra aproveitar um dia de folga num bate e volta, surgiu uma folga no dia seguinte.
Eu não tive como não ser arrastado de volta para os tempos do Karen, onde eu fui trouxa por anos, onde ele matava aula pra transar na escada da faculdade, dizia que ficava até mais tarde no serviço pra não pegar trânsito, mas na verdade ia para dates furtivos de apps de pegação (inclusive tenho uma história ótima com relação a isso da época do Karen), enfim, meu cérebro e meu coração ligaram o sinal vermelho, as sirenes começaram a zunir no meu ouvido, a última coisa que eu queria era ser enganado como fui na minha última relação.
Voltando, Lars não falou mais nada depois disso, fui pra casa naquele dia. Na terça-feira de manhã, outro sinal de alerta, não tinha nenhuma mensagem no celular. Isso poderia ser irrelevante, se a gente não tivesse passado o último mês e meio, trocando várias mensagens e memes da hora que acordava até a hora de dormir. Me senti mal, a conversa tinha morrido da noite para o dia, fiquei angustiado, pois eu estava começando a gostar dele e aquilo mudou da noite para o dia.
Terça-feira se foi, ele em Balneário Camboriú, fotos e stories no Instagram se seguiram e nada desse amigo misterioso.
Finalmente, a noite ele estava voltando e mandou uma mensagem dizendo que estava exausto, mas estava voltando. Nesse momento, minha mente já tinha formulado mil e uma histórias, mas resolvi ser prudente, apesar da angustia que estava sentindo.
Foi difícil dormir aquela noite, na manhã seguinte, ele mandou uma mensagem dizendo que havia chegado, estava exausto, mas estava indo trabalhar.
Nossa conversa, já não era a mesma, algo tinha mudado, as palavras ou a ausência delas são um termômetro para o coração, escrever para outra pessoa é um ato de conexão e o nosso elo havia se rompido.
Foi quando resolvi confrontá-lo.
Segue abaixo a conversa no whatsapp:
[28/11 11:56] Denes: Desculpa, Lars.
[28/11 11:56] Denes: Eu não sei de fato o que aconteceu
[28/11 11:56] Lars: Pelo o que ?
[28/11 11:56] Denes: mas desde terça que eu sinto que nossa conversa morreu
[28/11 11:56] Lars: :(
[28/11 11:56] Lars: Eu que peço desculpas
[28/11 11:57] Denes: se vc puder me dar uma luz
[28/11 11:57] Lars: Questão de conversa tbm não sei ... :(
[28/11 11:58] Lars: Não quero ser cuzao contigo
[28/11 11:58] Denes: me diz o que tá acontecendo
[28/11 11:59] Lars: Gosto olhando no olho
[28/11 11:59] Lars: Gosto de vc
[28/11 11:59] Denes: talvez não haja olho no olho se eu não entender o que está acontecendo
[28/11 12:00] Denes: eu tb descobri que estou gostando de vc
[28/11 12:00] Denes: descobri de uma maneira bem ruim
[28/11 12:00] Denes: só quero que vc me diga
[28/11 12:00] Denes: sem medo
[28/11 12:02] Lars: Eu recebi uma ligação de alguém antes de viajar que me deixou balanceado
[28/11 12:02] Denes: prossiga
[28/11 12:02] Lars: Não gosto da ideia por aqui
[28/11 12:03] Lars: Mas tá bom ...
[28/11 12:03] Denes: por favor, agora que começou, não pare
[28/11 12:03] Lars: Pouco antes de conhecer vc eu tinha acabado um relacionamento ...
[28/11 12:03] Denes: hum
[28/11 12:04] Lars: E tipo ainda algo que me deixa balançado e tal ...
[28/11 12:05] Denes: entendi
[28/11 12:05] Denes: ah...
[28/11 12:05] Lars: E tipo não quero mentir pra vc
[28/11 12:05] Lars: Nem ser um cuzao contigo me entende
[28/11 12:05] Lars: Quero ser sincero sempre
[28/11 12:05] Lars: Não só com vc mas comigo mesmo
[28/11 12:06] Denes: então, o livro de Harry Potter que está com vc, foi um presente de um amigo meu que faleceu esse ano, será que posso pegar com vc na catraca amanhã da Santos Imigrantes
[28/11 12:06] Lars: Sim ... Claro ... Mas queria conversar mais com vc pessoalmente
[28/11 12:06] Lars: Se não se importar
[28/11 12:07] Lars: Tenho um presente pra vc
[28/11 12:07] Denes: eu vou me importar
[28/11 12:07] Denes: por favor, sem presentes
[28/11 12:07] Lars: Tudo bem :(
[28/11 12:09] Denes: amanhã as 8:30 te encontro na Catraca
[28/11 12:09] Lars: :( eu lhe entendo sabe ... Mas confesso que gosto de vc e queria que vc permanecesse na minha vida independente de qualquer coisa
[28/11 12:09] Denes: não será possível
[28/11 12:09] Lars: Tudo bem eu entendo vc ... :(
[28/11 12:09] Lars: Me desculpa
[28/11 12:10] Denes: te encontro amanhã na catraca sem falta
[28/11 12:21] Lars: Hj vc sai que horas do trabalho?
[28/11 12:24] Denes: Desculpa, Lars. Mas eu só pretendo te encontrar para pegar o meu livro. Não, temos nada para conversar. Você não me deve satisfações, justificativas ou esclarecimentos. Apenas o meu respeito. Mas, mesmo assim. Esse ponto final precisa ser colocado.
[28/11 12:25] Lars: Tudo bem eu entendo e respeito vc ... Falei de hj pq posso te entregar hj o livro
[28/11 12:25] Lars: Ele está comigo aqui no trabalho
[28/11 12:26] Denes: Eu saio às 18:00
[28/11 12:26] Lars: Posso te entregar hj o mesmo horário ... Na estação melhor pra vc
[28/11 12:27] Denes: Que horas na Santos Imigrantes vc vai passar por lá?
[28/11 12:27] Lars: Umas 19h a 19:30
[28/11 12:28] Lars: Mas espero a sua hora
[28/11 12:28] Denes: Okay, as 19:00 estarei lá
[28/11 12:28] Denes: Se chegar antes estarei sentado em algum dos bancos da plataforma
[28/11 12:29] Lars: Tá bom
[28/11 12:29] Lars: Sei o que vc vai falar ... Mas desculpas :(
Quando ele falou dessa ligação do ex e ficou balançado, eu senti uma enxurrada de sentimentos negativos, o tsunami de chorume que eram as mentiras do Karen voltando a tona. Todas as desculpas esfarrapadas, parecia que eu estava vivendo tudo outra vez.
Eu estava cego, na gana de não querer cometer os mesmos erros do passado, acabei sendo seco, duro e intolerante, condenando um pelos erros de outro.
Eu já tinha sentenciado dentro de mim que aquela viagem foi algo que ele tinha programado com o ex e que tinha ido com ele e que eles tinham se acertado e que ele queria me manter como step se nada desse certo. Enfim…
Nesse mesmo dia, fui buscar o meu livro (um fato curioso, esse livro que foi presente de um amigo que veio a falecer em 2019, foi um presente pra me lembrar o quanto eu sou uma pessoa corajosa, era a edição de 20 anos da Pedra Filosofal nas cores da Grifinória e dentro ele escreveu a famosa frase da Luna "As coisas que perdemos sempre acabam voltando para nós. Mas nem sempre na forma em que pensamos." https://imgur.com/a/ebJFd2U
Ironicamente, quando paro pra olhar isso em particular, penso na grande ironia de tudo.
Eu cheguei antes na estação, fiquei esperando, sentado num banco na plataforma, vendo vários trens passando, várias pessoas descendo na estação vindo depois de mais um dia de trabalho. A minha ansiedade estava a mil, eu queria chorar, estava angustiado com tudo aquilo, pior, sem entender como "tinha cometido" o mesmo erro outra vez.
Ele chegou uns 15 minutos depois, estava com o livro na mão, eu peguei o livro e então ele me estendeu os braços pedindo um abraço, fiz com ele o que eu devia ter feito com o Karen, olhei para ele com a minha pior cara de desgosto e nojo e falei "Adeus", virei as costas e deixei ele lá.
Hoje, não me orgulho do que eu fiz, sinto vergonha quando penso, mas para que vocês entendam aquele gesto, mesmo ele não sabendo, era algo traumatizante, no término com o Karen, quando coloquei minhas malas e meus livros no táxi, ele chegou até mim e na maior cara de pau, na sua maior interpretação pra burguês ver, ele me pediu um abraço e o trouxa aqui cedeu esse abraço, então ele sussurrou no meu ouvido "Sou eternamente grato por tudo o que a gente viveu e você vai sempre poder contar comigo para o que você precisar" e quando eu precisei o que eu ouvi? "Não tenho obrigação nenhuma de te ajudar."
Quando eu saí da estação, bloqueei o Lars em todas as redes sociais, Facebook, Instagram, Whatsapp e até o número dele pra ele não me mandar SMS ou ligar. Não queria nunca mais ouvir falar dele pelo resto da minha vida.
Alguns dias se passaram e a Karls me contou que Lars havia mandado mensagem para ela no Instagram dizendo que estava preocupado comigo, queria falar comigo e eu irredutível falei que nunca mais queria saber nada a respeito dele.
Então ali eu tinha colocado uma pedra em cima desse assunto, vida que segue.
Dezembro de 2019
Karls é uma garota muito linda, mas em todos esses anos de amizade ela só se envolvia com os piores caras do Tinder, uma fase da vida dela que fazemos piada, mas que se você olhar atentamente, era bem triste.
Ela tinha o sonho de conhecer um cara bacana, compartilhar momentos, viver toda aquela fantasia de namoro, dormir abraçada, assistir anime, cantar músicas da Disney e cozinhar todos os pratos possíveis de todos os programas de culinária que existem no mundo.
Depois de anos, esse cara apareceu. Vamos chamá-lo de Darls.
Darls é um cara super carismático, que faz amizade por onde ele passa, falador, contador de piada, solicito, uma pessoa que todo mundo iria adorar ter como amigo.
JANEIRO 2020
Parecia que Darls sempre esteve nas nossas vidas, Akarls e eu o recebemos de braços abertos, pois víamos o quanto ele fazia Karls feliz.
Logo ele começou me pedir dicas e mais dicas de coisas que fariam a Karls feliz e nesses 5 anos de amizade eu era a pessoa que mais sabia de tudo o que a Karls gostava.
FEVEREIRO 2020
Eles oficializaram o namoro, (meio rápido, mas…), então ela entrou numa tour para conhecer todas os amigos dele, pois ele queria apresentar a namorada para as pessoas importantes na vida dele.
Darls mora a 35km de distância, num bairro distante, 2 horas de viagem no mínimo, mas ele sempre estava vindo passar mais tempo aqui.
MARÇO 2020
Pandemia chegou, isolamento social foi instaurado, pessoas em casa. Eu sou editor de vídeo, então estou trabalhando em casa desde que esse inferno começou. E quem acabou vindo para cá, também? Exatamente, Darls.
A companhia dele era agradável, e por vermos Karls feliz, nada objetamos, aceitamos naturalmente a estadia dele aqui. Mesmo que nunca tenhamos conversado isso entre nós, foi natural olharmos para a felicidade dela.
ABRIL 2020
Um mês de quarentena, eu sou uma pessoa ansiosa. Solteiro que passou da barreira dos 30, já havia sentenciado que não conheceria ninguém e morreria só, pois já estava sem esperança de conhecer alguém em um mundo sem um vírus mortal, imagina em um mundo onde estar perto 2 metros de alguém pode ser sua sentença de morte.
Eu comecei entrar numa crise terrível, comecei trabalhar demais, a fazer 12 horas de trabalho por dia e no meu tempo vago eu comecei a assistir todos os filmes e curtas gays já foram produzidos no mundo. E nisso, fiz a burrada de assistir um filme que superestimei por anos.
Brokeback Mountain.
'O que eu fiz da minha vida?'
Eu fiquei tão mal, mas tão mal, que naquela noite eu fui dormir chorando e os dias que se seguiram eu tive tanto remorso pelo final daquele filme, que certo dia eu comecei chorar na frente da Karls e do Darls enquanto a gente almoçava.
No final de abril, meu tio implorou que eu fosse na casa dele, pois estava tendo um problema entre minha mãe e minha irmã e ele estava preocupado da minha mãe acabar se metendo em um avião e vindo pra São Paulo no meio de uma pandemia. Fui, como se eu já não estivesse colapsando, ainda tinha que resolver o problema de outras pessoas.
Naquela semana, eu assisti um vídeo, tenho 80% de certeza que foi no LubaTV os outros 20% acho que foi no canal do Henry Bugalho, que falava sobre perdão, algo do tipo "se não perdoamos, do que adianta pedirmos desculpas" e eu já estava muito reflexivo.
De noite, eu estava no apartamento do meu tio, quando recebi uma notificação de que alguém tinha me seguido no Twitter.
Abri a notificação e vi que era o Lars me seguindo quase 6 meses depois. Ele não tinha twitter e tinha criado uma conta por causa da quarentena.
Minha primeira reação foi bloquear ele, mas aí bateu aquele turbilhão de coisas acumuladas nessa quarentena. O final de Brokeback Mountain, a fala sobre perdão e um detalhe sobre o Lars que pesou muito, ele tem diabetes, acho que é um tipo raro, ele desenvolveu super novo, ele toma dois tipos de insulina, ele é grupo do risco.
Sentei no sofá e me perguntei, 'o que ele queria depois de todos esses meses? Ele não entendeu o meu "Adeus"?'
Pois, bem. Fui até o Instagram, desbloqueei ele e mandei a seguinte mensagem:
"O que você quer?"
Ele levou uma meia hora pra me responder, o 'digitando…' parecia eterno.
Resumindo, ele falou que se importava muito comigo, que eu marquei a vida dele, que nunca quis se distanciar de mim, que jamais foi a intenção me magoar com o que quer que tenha acontecido e que nunca dei a oportunidade dele se explicar.
E eu respondi, que não importava o que ele tivesse para me dizer, não ia mudar a opinião que eu tinha sobre ele.
Ledo engano, meus caros.
Fui dormir às 4 da manhã, tirei tudo de dentro de mim, tudo o que eu inventei na minha cabeça. Porque no meu relacionamento anterior eu ouvi tantas mentiras, que acabei jurando que qualquer um iria mentir para mim, era o único referencial que eu tinha.
Só para que vocês saibam, era realmente um amigo, as fotos que ele tirou junto com o amigo no Beto Carrero, foram todas no celular do amigo a folga da Terça-feira, o chefe dele estava devendo uma folga para ele e como ele não iria poder tirar essa folga a mais do que as que estavam previstas para Dezembro, o chefe deu a folga pra ele na terça para que ele aproveitasse mais um dia de viagem. E sim, o ex dele ligou, ele ficou balançado, pois eles tinham tido uma história recém terminada, mas ele me contou, primeiro porque eu insisti, mas também porque ele não queria mentir pra mim, já que eu tinha todo esse problema com mentiras, então ele queria ser honesto comigo desde o início e que nunca foi a intenção dele voltar com o ex, tanto que ele não voltou, ele queria estar comigo, e que mesmo tendo passado todo aquele tempo ele nunca tinha me esquecido e não tinha desistido de mim.
Eu falei para ele que não sabia como reagir a tudo aquilo, disse que não sabia se seria capaz de confiar nele. E que ele não tivesse esperança, mas que eu iria refletir sobre tudo aquilo.
Então eu voltei pra casa e compartilhei a história com Karls e Darls.
Karls ficou meio com o pé atrás, mas Darls me apontou os erros que eu cometi, me fez enxergar o quanto eu tinha exagerado pelo medo e desconfiança que eu tinha, que não tinha nada a ver com Lars e minha ficha caiu.
Agora, tudo o que me restava era o meu orgulho, eu precisava passar por cima disso.
Voltei a conversar com Lars, aos poucos, foi difícil no início, mas ele foi muito tolerante, eu expliquei que não estava sendo fácil voltar a conversar com ele, mas que compreendi que muito daquela situação era culpa minha.
Ele começou a me mandar mensagens de manhã e a noite, de bom dia e boa noite e esporadicamente algum meme. Foram duas semanas conversando quando houve a necessidade da gente se ver. Eu não sabia como iria reagir.
Sim, ele viria aqui em casa no meio de uma quarentena, mas antes que cresça os julgamentos, moramos próximo um do outro, ele viria a pé, sem pegar nenhuma condução e num horário de pouco fluxo.
MAIO 2020
Então comuniquei que ele viria aqui em casa para Karls, Akarls e Darls. Aparentemente, achei que todos tinham recebido a notícia de bom grado.
Ele veio, a primeira coisa que ele fez foi ir para o banheiro tomar banho, com Covid não se brinca. Depois, sentamos e conversamos, e mais uma vez, eu falei tudo de novo, dessa vez olhando no olho, colocando tudo a limpo, uma conversa franca, contei de todas as impressões que eu tive de tudo o que aconteceu, como a narrativa se construiu na minha cabeça e porque agi da maneira que agi.
Em contra partida, ele disse que estava tudo bem, disse que ficou muito chateado, mas os amigos dele conversaram com ele dizendo que tinha um motivo para eu agir como eu tinha agido. Ele me falou que nunca me esqueceu e queria ter uma oportunidade de conversar comigo e esclarecer as coisas, pois sabia que tudo tinha sido um grande mal entendido. Ele falou que mandou várias mensagens para a Karls, mas não obteve resposta. E quando ele me mandou o convite no Twitter, ele disse que seria a sua última tentativa de se aproximar de mim, se não desse certo, ele mesmo desistiria de tudo.
Ele passou três dias aqui em casa, eu não me abri tanto com ele com relação a isso, mas eu senti muito remorso por como as coisas aconteceram por minha causa.
Outra coisa, lembra na mensagem, quando ele falou que tinha um presente para me dar e eu falei que não queria? Ele trouxe o presente, ele guardou o presente todo esse tempo e disse que toda vez que via o presente, ele lembrava de tudo o que a gente viveu e a coisa que ele mais queria era me dar esse presente, que ironicamente ele comprou na viagem para o Beto Carrero.
Era um funko do Harry Potter, já que eu amo muito Harry Potter. (Não, não sou transfóbico, eu amo Harry Potter desde 2000). http://imgur.com/gallery/cah0Ry7
Ele voltou pra casa dele. Continuamos a nos falar, reatar laços, ter essa troca.
Compartilhei minhas impressões com Karls e Darls, eu estava relutante, desacreditado. As pessoas subestimam relacionamentos abusivos, mas a gente carrega coisas por anos, os estragos são terríveis, estava eu provavelmente estragando uma oportunidade de ser feliz por medo de ser feliz.
As coisas foram devagar, estávamos conversando de nossas rotinas na quarentena, ele o quanto sentia falta do trabalho e não aguentava mais assistir séries e eu o quanto estava trabalhando e engordando, já que editor de vídeo trabalha em casa, praticamos isolamento social antes disso "estar na moda" (✌️ salve editores do canal, eu juro que tô escrevendo essa história que já passa de 4 mil palavras, pensando se realmente o Luba lerá essa história na Turma-Feira, fico imaginando no trabalhão que vocês vão ter pra editar, se eu puder pedir, posta a Timeline pra eu ver como ficou no final, curto muito timelines [Sim, pra quem não entende, isso é meio creep]).
JUNHO 2020
Lars voltou, veio para estar comigo no meu aniversário, inclusive ele me presenteou com Find Me do André Aciman, ele disse que queria me dar a muito tempo, pois em novembro do ano passado eu estava lendo Call me by your name e eu estava namorando pra comprar o livro quando fosse lançado, mas não deu nem tempo dele poder comprar na época.
No meu aniversário, resolvi cozinhar para comemorar, fazer escondidinho de frango. Eu estava de folga e queria fazer algo especial para Karls, Darls, Akarls e Lars. Eu passei a tarde e começo da noite cozinhando e Lars me ajudando.
Então, aconteceu o estopim de todo o caos.
Karls e Darls desceram e viram que o escondidinho não estava pronta ainda, ela fechou a cara e disse "Nossa, ainda não está pronto?". Depois eles fizeram um sanduíche e comeram e subiram, bastou aquilo pra me entristecer, até entendo que ela poderia estar com fome, mas ela bater porta de armário e a porta da geladeira acabou todo o meu ânimo, me senti super mal.
Comi aquele escondidinho triste, o clima na mesa estava tenso e na boa o que era pra ser uma comemoração no que eu acreditava ser entre família, foi a porcaria de um jantar de aniversário que eu perdi tempo fazendo.
Lars voltou pra casa dele, continuamos nos falando e estreitando os laços, aproveitando a companhia um do outro, e finalmente no meio de toda essa situação de merda que estamos vivendo no planeta, senti uma esperança de que talvez tudo daria certo, pelo menos uma vez.
Mais uma vez, ele veio passar o fim de semana aqui em casa, e foi divertido, assistimos filme, contamos piadas e o melhor, eu estava podendo dormir abraçado com ele, por a cabeça no travesseiro e não me sentir só.
JULHO 2020
O mês do caos, eu odeio Julho, por tantos motivos, sério. Eu tenho inúmeras histórias de desgraças nesse mês que PQP (Gif da Xuxa).
Lars me mandou mensagem dizendo que ele teve uma briga terrível com o sobrinho dele, na briga eles só faltaram sair na porrada, ele falou que estava mal por estar na casa da irmã dele e por toda essa indisposição com o sobrinho que tem 18 anos e é um completo folgado. Ele disse que iria procurar um lugar pra ficar, mas até lá, ele perguntou se poderia ficar aqui até encontrar esse lugar.
E como eu já fui colocado pra fora de casa pelo meu tio e me vi sozinho, eu sei o quanto é importante ter alguém pra estender uma mão amiga nessa hora.
Eu respondi que sim, mas que ia comunicar o Karls e o Akarls. Expliquei a situação Lars e eles falaram que tudo bem.
A Karls começou a fazer um freela permanente em um grande estúdio aqui de SP, então ela já não estava ficando em casa e quando estava, ficava a maior parte do tempo com o Darls, que ficou aqui em casa, mesmo ela trabalhando regularmente, já que as coisas estão flexibilizadas por aqui.
A princípio, Lars ficaria aqui até dia 10, ele tinha acertado de ir morar com um pessoal que ele achou num grupo do Facebook, mas o lugar onde esse pessoal ia morar não deu certo, pelo o que ele me contou, foi lance com a Porto Seguro, ele ficou decepcionado, porque os meninos eram legais. Então, ele voltou para a busca de encontrar um lugar pra ficar, eu inocente disse que ele poderia ficar o tempo que precisasse.
Interiormente, eu queria me redimir por toda a injustiça que foi o nosso início, queria fazer certo dessa vez, pois ele estava sendo bom pra mim e eu nunca tinha tido isso, esse convívio.
Enquanto ele estava aqui, comecei a ter companhia para o almoço, passei a comer direito, já que ele é obrigado a comer certo por causa da diabetes, eu estava até me alimentando nos horários certos. As noites assistíamos séries abraçados, até a hora de dormir. Parecia um oasis no meio de todo esse inferno que estamos vivendo, por um único instante eu esqueci de tudo de ruim.
Nesse período, ele estava procurando vários quartos, mas só encontrava cativeiros sendo alugados por mercenários.
Conforme o mês ia passando, Karls estava bem estressada com tudo e quando estava todo mundo na cozinha, ela parecia evitar querer falar com ele. No início, eu pensei que fosse TPM ou alguma coisa em particular dela com Darls.
Mas eu tive certeza que era alguma coisa com o Lars, no dia que estávamos jantando e ela veio informar que o botijão de gás tinha acabado e ela tinha comprado um novo, mas ela insinuou que estávamos cozinhando demais. Eu fiquei, sem reação, pois não esperava por aquilo, como eu falei, ela e o Darls estavam fazendo todas as receitas que existiam na internet, como que o Lars 10 dia aqui era a causa do botijão ter acabado?
Então aquilo começou a ficar espinhoso e o meu erro foi não ter confrontado. Eu comecei a me sentir acuado com o Lars e não sabia o que fazer, ele já estava numa puta situação frágil por ter saído da casa da irmã por indisposição com o sobrinho e a coisa que eu mais queria era que ele se sentisse confortável na minha própria casa.
No meio de tudo isso, ele voltou a trabalhar e eu passei a acordar cedo junto com ele, pra tomar café e abrir o portão pra ele poder sair, num desses dias, eu levantei e fui no banheiro e enquanto eu usava, a Karls bateu na porta perguntando quem é que estava lá dentro de uma maneira meio ríspida, no caso era eu, mas o Lars viu a situação toda, ele não me falou, mas eu reparei que ele parou de tomar banho de manhã antes do trabalho. Dizia ele que o banho da noite era suficiente.
Depois, ele parou de tomar café da manhã, disse que tomaria café na cafeteria que ele trabalha.
A próxima coisa que aconteceu foi um dia que eu estava na cozinha e fui informado que Karls e Akarls decidiram que não iríamos mais fazer as compras de mercado juntos. E que só manteríamos os produtos de limpeza e higiene e que o resto era cada um por si.
Confesso, que na hora não compreendi o que estava acontecendo, eu estava muito desligado, na verdade não acreditava que os meus amigos estavam me excluindo por causa do Lars, eu estava sendo ingênuo, pois não imaginaria que aquilo estava acontecendo.
No meio desse caos todo, Lars, virou pra mim e disse que a irmã dele pediu que ele fosse na casa dela. Então ele iria direto do trabalho e dormiria lá no sábado para o domingo, já que estaria de folga e voltaria pra cá no domingo a noite.
Só que ele não voltou, ele disse que a irmã dele pediu para que ele dormisse lá mais uma noite. Pensei, okay, ele vem então amanhã direto do trabalho pra cá, mas aí ele não veio na segunda, foi quando o peso de tudo bateu.
A essa altura eu já estava angustiado com tudo aquilo e direcionei minha frustração para o lado errado, em vez de confrontar quem estava causando toda essa situação insatistória, eu cobrei dele, porque ele não estava aqui. Perguntei, porque ele não queria estar mais aqui. Ele falou que queria. Então, eu perguntei porque o domingo, virou segunda e agora a segunda virou terça? Ele hesitou, aí eu perguntei se era por causa da Karls e ele disse que só não queria incomodar ninguém.
Eu fiquei mal, por ele se sentir mais incomodado na minha casa do que na casa da irmã dele com o sobrinho folgado que estava fazendo da vida dele um inferno.
Fiquei desapontado, ele veio na quarta, conversei com ele, disse que iria conversar com a Karls sobre toda essa situação. Mas já era tarde.
Era a última semana de Julho, e antes mesmo que eu pudesse conversar com a Karls, Akarls chegou dizendo que não dava mais para dividirmos a conta de água como estávamos fazendo, por 3, teríamos que dividir por 5, já que a conta ficou mais cara.
Na sexta-feira daquela semana, Lars encontrou um quarto numa casa que ele meio que alugou as pressas e ele se mudaria na primeira segunda de agosto. Quando eu pude confrontar Karls, no sábado, sobre tudo aquilo, já era tarde. Falei que fiquei chateado deles quererem repartir a conta da casa por 5 com o Lars pelo mês que ele passou aqui, mas isso nunca foi nem cogitado nos 5 meses do Darls aqui. Falei que fiquei decepcionado por ela não ser capaz de enxergar a minha felicidade. Por não ser capaz de ver o quanto eu estava feliz, como eu enxerguei a felicidade dela com o Darls e o recebemos de bom grado dentro de casa por causa da felicidade dela. Disse que foi muito cômodo pra ela ter alguém pra poder dormir junto, assistir coisas juntos, ter os momentos a dois e quando eu pude ter o mesmo, ela não olhou para mim com os mesmos olhos.
Enfim, Lars se mudou, tomei esse tempo que poderia estar assistindo uma série com ele para escrever tudo isso. Angustiado e decepcionado. Darls não tem culpa de nada do que está acontecendo, mas agora acho completamente injusto ele estar aqui e o Lars não estar, não sei o que fazer, minha vontade é de falar, "acabou a quarentena para os dois, pode voltar para sua casa". Me sinto injustiçado e triste por alguém que eu amo tanto, não ter sido capaz de enxergar que eu estava feliz. É isso, estou esperando a próxima sessão da minha terapia e Karls e Darls estão lá no quarto dela e eu estou só.
E para finalizar, essa foi minha conversa agora a pouco com o Lars.
Lars https://imgur.com/gallery/PRrxEI6
submitted by denesfernando to TurmaFeira [link] [comments]


2019.11.27 01:06 blancyago Achei que tinha acabado com minha vida. 9 meses depois, nunca estive tão feliz.

Há 16 dias meu filho nasceu. Eu estava junto com minha namorada a pouco mais de 1 ano quando descobrimos que ela estava grávida. Não somos tão jovens mais, eu tinha 26 e e ela 29 quando decidimos que íamos dar seguimento a gravidez. Eu estava no fim da minha segunda graduação e fazendo estágio na área de produção cultural, em um museu da minha cidade e como qualquer trabalho na área da cultura, ganhando bem pouco.
Eu nunca quis ser pai. Nunca me imaginei casado e com família. Minha mãe faleceu a 2 anos e ali, eu sentia que minha última experiência de acolhimento familiar havia sido enterrada também. Sempre tive a clareza de que se caso eu engravidasse alguma companheira minha eu seria o companheiro e o pai que eu não tive. Não tenho contato com meu pai por que durante anos ele não quis. Eu era dessas crianças que ficava esperando o pai na porta de casa do momento em que acordava até a hora de dormir e ele não aparecia. Simples assim. Aparecia 2, 3 dias depois e lá estava eu, pronto pra dar um abração no meu herói. Mas a gente cresce e vai ressignificando esses sentimentos. Ele não aparecia por que era agarrado no pó. Dizem por aí que é até hoje, não quero saber. Só sabia que eu ia ser pai sem saber o que era ser filho de um homem.
Eu trabalhava desde os meus 15 anos como designer gráfico e sempre dei meu jeito de sobreviver e ter minha independência. Minha namorada gozava da mesma liberdade, trabalhando em outra área, mas desde cedo assim, independente. A gente gostava demais da nossa vida de solteiro, morávamos sozinhos, cada um no seu apartamento e não tínhamos tido nenhum tipo de conversa que sinalizava qualquer vontade de morarmos juntos. Muito pelo contrário, exaltávamos nossa liberdade e independência sempre lembrando como cada um de nós ter seu espaço era saudável pra nossa relação. Fumávamos maconha de forma abusiva toda vez que nos encontrávamos e amávamos nossa vida assim, no conforto em que estávamos.
Eu sabia que não poderia me dar ao luxo de continuar trabalhando em um lugar que me demandava quase 10 horas de trabalho diário em épocas de abertura de exposição e ganhando o tanto que eu ganhava na época. Esse não era meu único emprego, sempre pegava um freela aqui e outro ali para pagar o aluguel e sempre tive a sorte de conseguir uns trabalhos que pagavam bem quando eu mais precisava. Mas com um filho não dava mais pra contar com a sorte. Precisei entrar em contato com meu antigo chefe e consegui um acordo para voltar a trabalhar pra ele remotamente, trabalhando de casa. Ele tem uma demanda surreal de trabalho e para poder fazer tudo de casa, aceitei um salário incompatível com a quantidade de trabalho que me dispus a fazer.
Era uma grana até ok, mas os clientes... É uma galera bem rica, que não sabe o que quer mas é cheio de desejos e demandas, sei lá, nunca devem ter ouvido NÃO na vida. Eu sabia que era assim, trabalhei 3 anos pra esse cara anteriormente, mas era o que consegui na época e eu sempre me lembrava que essa dor de cabeça vinha com o bônus de poder estar perto da minha namorada e futuramente acompanhar as primeiras etapas de vida do meu bebê.
Não mencionei isso, mas nunca estudei design gráfico formalmente. Sempre aprendi tudo “na tora”, de acordo com a demanda, fazendo. Sempre estudei em faculdade pública e minha segunda graduação era em Belas Artes. Sempre desenhei e desde 2015 descobri um amor incondicional pelo ato de pintar. Era uma forma de tentar transformar minhas piores experiências em algo palatável, não sei explicar direito. Sei que eu idealizava muito a profissão de artista. Eu era muito cabeça dura e achava que conseguiria entrar no mundo da “alta arte”, estabelecer contatos e viver disso um dia. Mal sabia eu o buraco que estava entrando... Conhecendo as “pessoas certas” vi que os artistas que mais ralavam para projetar seu trabalho, normalmente tinham uma ou mais fontes de renda alternativa. Fossem essas um trabalho formal, CLT, era funcionário público ou simplesmente tinha nascido em berço de ouro. Em família de artistas famosos, galeristas ou colecionadores de arte. Quanto mais eu respirava dessa atmosfera mais eu via que esse ar não era pra mim e esse contato influenciou, durante muito tempo, meu trabalho de forma negativa.
Aceitar esse trabalho significava também ter menos tempo pra minha produção em pintura. Eu via como um passo para trás na minha carreira de pintor e ficava muito puto ao pensar que tudo isso era por conta do vacilo de termos ficados grávidos.
Mas como eu disse lá em cima, eu tinha essa clareza de que eu seria o pai que eu não tive e o companheiro para minha namorada que minha mãe não teve. Então agarrei essa oportunidade com unhas e dentes. Rescindi meu contrato de locação e fui morar com minha namorada, que tinha o apartamento maior. Passamos a dividir tudo e conviver intensamente. Nos primeiros 2 meses de gravidez os exames de ultrassom apontavam para uma gravidez gemelar, ou seja, eram 2 sacos gestacionais. Ficamos super tensos. Não queríamos ser pais de um, imagina de dois.
No terceiro mês fizemos um exame que mostrou que só um dos sacos se desenvolveu e vimos também que seríamos pais de um menino. Descobrir isso foi um passeio nas nuvens... a partir daí fomos nos adaptando um a rotina do outro. Ela foi aos poucos cedendo seu espaço para eu entrar de fato na vida dela, e eu, sem querer chegar tomando um espaço que sempre foi dela, fui aos poucos me aconchegando nessa casa nova.
Demorou muito pra eu começar a ver minha namorada como família. A gente sabia que nosso filho crescia dentro dela mas tudo parecia virtual demais. Ele não tinha voz, peso, cheiro, nada. Nem nome.
A gravidez inteira foi tranquila. Nenhuma grande complicação durante a gestação. Isso nos deu tempo para conseguir juntar uma grana boa para o período do puerpério em que minha namorada não conseguiria mais trabalhar e nossa renda mensal cairia consideravelmente.
Eu conversava com a barriga. Tocava violão, cantava, falava do meu dia pra barriga dela. Fui desenvolvendo uma relação com esse ser imaginário e no fim da gestação eu já sabia que eu queria muito ser pai dessa criança.
Durante a gravidez fiz meu tcc em pintura e o dia de definir minha banca avaliadora se aproximava junto dos prováveis dias que nosso bebê ia nascer. Fiz todas as pinturas que iria mostrar ainda no primeiro semestre, mas comecei a me enrolar com a parte escrita. Trabalho, casa, bebê a caminho, pode escolher qual dos motivos convinha mais para eu não entregar o meu tcc.
Numa quarta feira a noite, minha namorada comecou a sentir contrações e a partir daí começamos a cronometra-las. Estavam espaçados e evoluindo devagar. Ela sentia muita dor e resolvemos ir para o hospital. Lá, descobrimos que é possível um trabalho de parto não evoluir. Ela chegou a 3cm de dilatação e assim ficou. Durante 5 fucking dias. Voltamos pra casa e ela ficava sentindo contrações de uma em uma hora. Íamos no consultório do obstetra todos os dias e nada da dilatação aumentar... estávamos tensos e cansados. No domingo seguinte, nosso médico pediu para que ela fosse internada e o parto induzido.
E as 10:30 da manhã do dia 10 de novembro, eu vi minha jornada épica começar e meu filho, Dante, nascer. Foi o momento mais lindo da minha vida. Nunca vivi nada tão intenso assim antes e ouso dizer que a sensação desnorteante que se sente quando se perde alguém é muito parecida com a sensação de presenciar uma nova vida começar.
Desde esse dia, não consigo tirar o sorriso do rosto. Eu e minha namorada(agora noiva) nunca estivemos tão felizes e conectados, agora com a clareza de que somos mais que companheiros, somos família. Nosso bebê é 100% saudável, muito bonzinho e até deixa a gente dormir! E sei lá, parece que os astros se alinharam, tudo tem dado muito certo pra gente. O parto da minha noiva foi normal e correu melhor do que a regra: não precisou de cortes, logo não precisou de pontos e não houve nenhuma laceração, o que está fazendo ela se recuperar muito melhor do que previmos.
Parei com a maconha desde a segunda metade da gravidez e nunca me vi tão produtivo. A qualidade do meu trabalho como designer aumentou muito e comecei a ter coragem de postar minhas pinturas no meu instagram sem o peso do “tudo ou nada” do artista, sabe? Como eu tenho um emprego que paga minhas contas e minha comida eu não me preocupo mais com essa coisa de ser um artista bem sucedido, eu pinto pelo prazer do fazer e isso tem feito um bem danado pra mim e pras minhas pinturas. Perdi a data de definir minha banca do tcc, ou seja, perdi meu ultimo ano na faculdade, certo? Errado. Minha orientadora me enviou uma mensagem hoje de manha dizendo para eu participar da exposição final das habilitações por que ela vai fazer uma carta oficial pedindo para a reitoria para que eu defenda meu tcc em março do ano que vem! É surreal, mas a vida agora tem outro sentido e tudo tem dado certo, sinto que virei um novo núcleo para minha família e para a família da minha noiva e essa sensação é boa demais!!
Vou me casar com a mãe do meu filho. Olhamos alianças ontem. Almejo agora a migração de área profissional, do design gráfico para UX design para procurar um emprego fichado assim que meu filho começar a frequentar escola/berçário e quero continuar pintando. Quero ensinar o Dante a pintar, tocar instrumentos, quero que estar do lado dele pra ver ele crescer e quero que ele seja muito feliz.
Escrevi demais e sinto que deixei de contar tanta coisa... Pra quem teve paciência de chegar até aqui, eu só agradeço por ler esse desabafo.
TLDR: a vida é muito doida.
submitted by blancyago to desabafos [link] [comments]


2019.11.11 02:19 batistalex Minha vida emocional é um fracasso. O amor não é pra mim...

Boa noite, este é meu primeiro desabafo, desculpem o texto longo, tem muita coisa presa na garganta que não confio contar a ninguém do meu círculo. Sei que gastar tempo lendo sobre mim pode não ser tão interessante.
Enfim... Sinto que falhei comigo, estou com 29 anos e me sinto um fracasso ambulante que não consegue lidar adequadamente com suas emoções. Nasci numa família fechada emocionalmente, onde ninguém nunca disse "eu te amo" a ninguém. Nunca vi meu pai beijar minha mãe (brigas eu vi diversas vezes). Meu pai faleceu de câncer no ano passado, e ainda sob essas condições nunca trocamos palavras de afeto (embora não houvessem palavras, as ações por si já diziam muito), e por isso eu não consigo me sentir à vontade com demonstrações de afeto até hoje.
Nunca tive uma namorada fixa, o máximo que tive foram alguns lances casuais que embora eu tivesse me esforçado muito para dar certo, não deu. Por um lado eu sei que não tenho muita habilidade em gerir meus sentimentos, por outro lado acho que tenho a famosa "mão podre" porque parece que só encontro pessoas com uma bagagem tão pesada que fica difícil sair algo de bom.
Exemplo:
Interessante que a exceção da garota 2, eu nunca me afastei de nenhuma devido aos seus problemas, até me dispus a ajudá-las mas não deu.
O mais triste é que eu sou muito "padrão". Desde minha adolescência acreditava que se era pra eu estar com alguém, que fosse pra somar. O problema é que eu nunca me senti capaz de somar, sou estou começando a mudar esse pensamento agora, mas ainda falta chão. Nunca fui de balada ou de contatinhos. Tenho uma boa aparência, treino e me alimento bem. Há 2 anos me graduei, sou Engenheiro, tenho um bom trabalho e amo o que eu faço. No entanto, minha auto-estima está no lixo. Às vezes me pego pensando nas coisas mais simples e triviais para alguns (e que muitas vezes não dão valor): Uma família feliz. Minha esposa, eu, um casal de crianças e um cachorro. Coisa besta mas que eu sempre pensei ter um dia. Mas não apenas isso, eu fantasiava que encontraria alguém cedo, que juntos viajariamos o mundo e foda-se o resto porque estaríamos felizes. Não foi o que aconteceu e me parece que não vai acontecer.
Enquanto escrevo eu literalmente estou chorando porque não consigo acreditar que falhei tão miseravelmente em algo que outros conseguem com facilidade. E não estou falando de sexo, estou falando de encontrar aquele alguém com quem você possa contar todos os dias, dividir os melhores e piores momentos, alguém que não te julgue e esteja com você pra o que der e vier. Alguém pra dividir os projetos. Isso é papo de sonhador, eu sei, as pessoas mudaram, ninguém pensa assim e talvez eu seja um dos últimos da minha "espécie". Não é difícil ver o tanto de divórcios que temos hoje em dia, ficou mais complicado. No entanto, o sentimento de frustação é tão forte que é difícil esquecer. Isso pesa muito principalmente em festas ou eventos onde normalmente meus amigos ou colegas de trabalho levam suas namoradas/esposas e para eu não me sentir mais fracassado ainda, nem apareço. Encontro uma desculpa e fico em casa.
Estou no limite da mudança, mas creio que para pior. Se não encontro o que sempre sonhei, talvez para matar a carência eu vire o tipo de cara que eu sempre critiquei, aquele que sai com uma e outra e não se importa. Sempre me importei demais, sempre me preocupei demais com a outra pessoa e no fim sempre me ferrei. Sei que não vou ser feliz se fizer essa mudança, mas também não estou feliz agora. É difícil apagar algo que sempre considerei de alto valor para mim.
Bom, não quero me prolongar mais. Ainda tinha tanta coisa pra falar mas fica para a próxima. Se você leu até aqui, agradeço a gentileza. Você é um incrível ser humano.
submitted by batistalex to desabafos [link] [comments]


2019.06.23 23:56 d3rr1c53xpl0r3r Como tudo aconteceu (Na minha Cabeça)

Depois de ter ouvido todos os 24 episódios do Caso Evandro é impossível não formar uma narrativa própria na sua cabeça. Ao longo desses 24 episódios você transita entre a culpabilidade e inocência dos sete acusados. Impossível não, já que num caso tão conturbado quanto esse e com tantas variáveis fica difícil acreditar 100% em qualquer depoimento ou confissão. Pensei em esperar que todos os episódios saíssem antes de fazer esse post, mas aí lembrei que o Ivan mencionou que dará o seu parecer pessoal de como acha que as coisas aconteceram. Então para que não haja “Depois de ter ouvido fica fácil falar”, eu vou postar agora. Até para que eu não me influencie pela versão dele. Caso nos próximos episódios alguma coisa bombástica venha à tona e mude a minha opinião, eu irei colocar edits na minha postagem.
Só para que vocês entendam um pouco sobre mim venho de uma família umbandista e cresci entremeio sessões espiritas em casa, centros de umbanda e candomblé e “presenciei” sacrifícios de animais (Por ser pequeno na época, nunca me deixaram ver o ato, mas via o resultado nos dias seguintes. Como já ficou claro, as vísceras têm que ficar no alguidar por 3 dias antes de serem descartadas em água corrente, ou levadas a uma encruzilhada). Meu avô (Já falecido) era pai de santo e minha tia filha de santo e atendíamos apenas família e vizinhos próximos. Nunca tivemos um centro propriamente dito. E como isso já faz bastante tempo, obviamente algumas coisas me somem à memoria então fui pesquisar mais sobre o assunto.
Antes que eu comece, até para que vocês entendam um pouco melhor sobre as religiões Afro-Brasileiras, existem VÁRIAS vertentes. Sabe aquela coisa de brasileiro “gourmetizar” as coisas? (isso será importante na minha versão da história) Pois bem, com essas religiões não é diferente. Primariamente vieram da África com seus escravos TRÊS religiões, a Umbanda, a Quimbanda (ou Kimbanda) e o Candomblé. Sendo a umbanda e a quimbanda cultos semelhantes. Na “Umbanda Branca” temos o trivial de sessões espiritas, atendimento aos consulentes e o famoso passe (Algo apenas para dar uma paz de espirito a quem precisa, limpeza de aura e etc.) e oferendas à Yemanjá, Oxalá, Xangô, Ogum, Oxossi, Iori, Iorimá, que são as 7 linhas da umbanda. Na “Umbanda Negra” ou Quimbanda também há 7 linhas, todas chefiadas (encabeçadas) por diferentes Exus, que esses por sua vez em troca de sua sabedoria e conhecimento de outros Exus da gira (networking) pedem oferendas mais “caras”, oferendas de sacrifício de sangue. Dependendo do que lhes é pedido os tipos de oferenda variam desde uma simples galinha até humanos. Na África até hoje esses sacrifícios acontecem segundo o que pude encontrar (Não sei se é verdade). Eu poderia fazer um post apenas sobre isso, pois é uma assunto MUITO extenso e complexo. Pois bem, abaixo vocês podem conferir a minha versão do acontecido. Algumas coisas apenas os envolvidos sabem e ninguém NUNCA saberá a verdade.
Chega em Guaratuba no começo de Janeiro de 1992, o “Pai-de-Santo” e jogador de Búzios Osvaldo Marceneiro com sua então namorada Andrea Barros e os mesmos tentam estabelecer negócio na feira de artesanato no centro da cidade. Antes que os outros integrantes da feira se opusessem a permanecia de Osvaldo na feira, o mesmo conhece Beatriz Abagge que como declarou varias vezes gostava de misticismo e coisas do gênero. Após algumas leituras de Búzios os dois se tornaram próximos e assim começaram um relacionamento de amizade. Beatriz por sua vez leva seus pais a uma consulta em 29 de Janeiro de 1992.
Osvaldo por morar no imóvel de Carmelita Cristofolini, ficou sabendo do terreiro da Mae Hortência o qual Beatriz Abbage também frequentava. Carona vai e carona vem, já que Osvaldo não tinha carro (como declarou), os dois vão ficando cada vez mais próximos. Beatriz Abagge recém separada de seu noivo, estava obviamente em busca de respostas e um direcionamento em sua vida e recorreu a ajuda de Osvaldo nos búzios (Aquela coisa de mulher, “será que ele vai voltar”, “será que ele ainda gosta de mim” e etc.). Contundo Osvaldo oferece não apenas o consolo espiritual, mas também um consolo emocional e o que era amizade acaba se tornando um affair. Aí pronto, isso é o suficiente para que Beatriz comece mover montanhas por Osvaldo. Logo após isso os outros integrantes da feira de artesanato começam uma movimentação para que Osvaldo e Andrea sejam removidos da feira e com o apoio de Beatriz, Osvaldo vai à prefeitura de Guaratuba para pedir ao Prefeito Aldo Abagge que o conceda um alvará de funcionamento na Feira. Com isso Osvaldo conhece Davi Dos Santos Soares que era o Vice-Presidente do conselho dos artesãos e esses se tornam amigos. (Não sei ao certo, ou não me lembro de onde Vicente de Paula e Osvaldo se conhecem ou quando se conhecem). Pois bem, Osvaldo consegue a permissão para permanecer na feira lendo os seus Búzios.
Osvaldo, um jovem que na verdade era FILHO-de-Santo precisa se “firmar” para conseguir se tornar um Pai-de-santo propriamente dito e abrir o próprio Terreiro em Guaratuba com a ajuda de Beatriz Abagge. Osvaldo foi vulgarmente chamado de “pai-de-santo” por todos por ignorância dos que não conhecem como a religião de fato funciona. Só é considerado “Pai-de-Santo” quem tem um terreiro e passa por uma iniciação feita por um outro Pai-de-Santo que tem um terreiro em funcionamento. No caso da região de Guaratuba já existia um terreiro, o da Mãe Hortência, e por motivos não sabidos talvez a Mae Hortência não quis iniciar Osvaldo (O que já é um red flag). Pois bem, Osvaldo ambicioso e com sede de se estabelecer de vez em Guaratuba pois agora estava apaixonado por Beatriz vai atrás de informações para fazer a sua própria iniciação como Pai-de-Santo na umbanda. Entendam, para que alguém se torne Pai-de-Santo, o mesmo deve possuir amplo conhecimento sobre a religião, linhas de trabalhos, tipos de espirito, como proceder no caso de algo dar errado numa sessão, e principalmente, o quão forte o “cavalo” é, se aguenta a pressão imposta pelos espíritos. (Algo que não mencionei no texto acima sobre as religiões, é que Umbanda e Quimbanda se entrelaçam de uma maneira homogenia. Quem segue uma acaba seguindo a outra indiretamente, já que as duas juntas são o ponto de equilíbrio. Sendo uma sempre contraria à outra.).
Já envolvido com Vicente de Paula e Davi dos Santos Soares, Osvaldo começa a busca de sua primeira oferenda. Oferenda essa para se auto iniciar como Pai-de-Santo. Com isto, o menino Leandro Bossi desaparece em 15 de Fevereiro de 1992. Não temos detalhes sobre esse acontecido pois como tudo consta o menino Leandro continua “desaparecido”. Há “informações” de que o corpo havia sido descartado no mesmo rio onde o saco com partes de Evandro seriam encontrados mais adiante, porem nada de concreto foi constatado. Vale ressaltar que não acredito que Beatriz e Celina estejam envolvidas nesse desaparecimento, inclusive acho que Beatriz na época do ocorrido em Fevereiro não ficou sabendo que havia sido Osvaldo o responsável por isso, pois ate então os dois não eram tão próximos assim e obviamente Osvaldo não queria assustá-la. Pois entendam, somente quem segue a religião e a estuda, entende a razão do sacrifício e não encara isso como um crime, pois o está fazendo por suas crenças e o vê como necessário para obter o que almeja. (Não estou de maneira nenhuma defendendo a prática, e de fato apesar da religião requerer tais sacrifícios os mesmos não deverão ser praticados pois envolve o assassinato cruel de um semelhante. Aqui sem dúvida entra a linha tênue entre a crença e a moral do ser humano)
O menino Leandro continua desaparecido e ninguém tem pistas, apenas o relato de Diógenes de ter visto Leandro na garupa da moto com Osvaldo (?). Portanto esse acontecido segue em paralelo enquanto as vidas dos 7 acusados continuam e tudo está maravilhoso. Osvaldo, De Paula e Davi estava certos que nunca ninguém descobriria o que aconteceu, como de fato não descobriram, pois, o retrato do Menino Leandro Bossi continua na pagina do SECRIDE na seção de crianças desaparecidas, ou seja, não falecidas. Portanto não há materialidade para se constatar que um homicídio ocorreu.
Passam-se então quase dois meses até que cheguemos ao desaparecimento do menino Evandro Ramos Caetano. Nesses dois meses, na minha cabeça entendo que muitas coisas aconteceram, principalmente entre Beatriz Abagge e Osvaldo Marceneiro. Os dois com certeza se tornaram ainda mais próximos, porem Osvaldo tinha Andrea, a qual já suspeitava do affair entre os dois. Daí vem os relatos de ciúmes excessivo de Osvaldo e de possíveis agressões. Só quem trairia (ou trai), acha que está sendo traído. Pensem, o affair de Osvaldo e Beatriz jamais poderia vir à tona, por várias razões. Primeiro, Osvaldo era juntado com Andrea que veio com ele pra Guaratuba, ela talvez não tivesse pra onde ir caso os dois se separassem e por esse motivo Osvaldo talvez se sentisse responsável por ela, já que a mesma o acompanhou ate Guaratuba. Segundo, Beatriz era filha do prefeito e da poderosa Família Abagge, e não poderia ser vista com tendo um caso com um “Pai-de-Santo”. Isso iria colocar em xeque a credibilidade da família perante a política local e até mesmo estadual. Sem mencionar que na cidade o mesmo já era visto com maus olhos pelos artesãos e obviamente pelo eleitorado católico, predominante em cidades do interior brasileiro, incluindo Celina Abbage.
Porém, sabem como é não é verdade? Basta apenas que uma dádiva seja concedida para que o descrente se torne crente. Nesses dois meses Osvaldo dever ter feito alguma previsão que se tornou realidade, ou fez algum trabalho (Oferenda) para Beatriz que se provou frutífero e a mesma juntada de seus sentimentos por Osvaldo mergulhou de cabeça na idéia. Nesse interim Beatriz começou um trabalho de convencimento com seus pais com prováveis “Tá vendo, não disse que ele é serio” ou “Desde que o Osvaldo começou a fazer trabalhos nossa vida tem melhorado, estamos abrindo o Centro pra cuidar das crianças, você esta trazendo o partido pra cidade, vai Lançar a Denise como candidata e etc.” ou coisas do tipo. O que não sabíamos no começo do podcast mas ficou claro nos últimos episódios é que Celina era extremamente arrogante, ambiciosa e sedenta por poder. Logo, ao ver que as coisas estavam andando na vida da família atribuiu tudo (por influencia de Beatriz) à Osvaldo, esquecendo assim o seu catolicismo e se convertendo ao “Osvaldicismo”.
Osvaldo, sabendo que sua influência na família Abagge havia aumentado consideravelmente em poucos meses propõe à beatriz que abrissem um centro de Umbanda junto com De Paula e Davi que já estavam próximos ao “casal” nesta época. O único problema é em que cidades pequenas, notícias envolvendo a família do prefeito correm rápido. Logo ficou sabido que Beatriz estava envolvida na abertura de um centro de umbanda com Osvaldo. O que fez com que a mesma, até por pedido de seu próprio pai deixasse a idéia de lado pois não seria bom por motivos políticos. Enfim, com algumas coisas indo bem pra família Abagge atribuídas à Osvaldo faltavam as coisas principais serem “consertadas”. A serraria que não andava muito bem das pernas (e da onde provavelmente vinha o sustento de toda a família, já que pelo que dá a entender Beatriz, suas irmãs e sua mãe não tinham renda alguma ainda que estavam envolvidas em projetos aqui e acolá) e a força política que Aldo e Celina tanto queriam e que estava sendo ameaçada por Diógenes (com seus panfletos) e pelo outro candidato da oposição (o qual não me recordo o nome).
A família Abagge convencida de que Osvaldo tinha o poder de interceder por eles e ajudar a família a sair dos problemas políticos e financeiros que os afligiam pedem ajuda à Osvaldo. Agora lembrem-se de que Osvaldo não tinha nenhuma outra ocupação a não ser jogar búzios e ser “Pai-de-Santo”. Depois de meses de consultas com a população de Guaratuba e seu envolvimento com Beatriz, Osvaldo vê neste apelo a chance de fazer um pé de meia. Neste momento Osvaldo descreve à Beatriz o que deveria ser feito, quanto custaria e quem participaria. Acredito que Beatriz ao ouvir o que deveria ser feito deve ter se assustado e não deve ter concordado de primeira, porem Osvaldo lhe diz que é a única maneira de conseguir tais benefícios. Depois de conversa com sua família Beatriz e Celina decidem proceder com as orientações de Osvaldo. Começa então a segunda caçada ao próximo menino que teria de ser sacrificado. Entra aqui agora a parte da “Gourmetização” da religião. Osvaldo por conveniência ou não, não posso afirmar, envolveu o número 7 neste trabalho. Pois lembrem-se, há de fato 7 linhas de trabalho nas religiões afro-brasileiras. Coincidência ou não, neste caso acredito que não. Osvaldo, além de ter 7 letras, é um nome o qual a soma de suas letras pela numerologia também é 7. Evandro, além de ter 7 letras, também soma o número 7 quando usamos a numerologia. E o suposto ritual acontece no dia 7 de Abril 1992. Neste caso, não acredito que sejam apenas coincidências, pois são muitas. É aquele velho ditado, onde há fumaça há fogo. São muitas coincidências juntas, porém vamos chegar nessa parte quando falarmos sobre as torturas.
Após a aceitação da proposta de Osvaldo, a família Abagge, começa a premeditação do ritual. Se o que falei sobre o número 7 no parágrafo acima confere, então Evandro se torna um alvo. Pois lembrem-se, para que o menino escolhido se encaixasse nos parâmetros, eles deveriam saber o nome do garoto, não poderia ser qualquer garoto. Então assim, as Abagge começam a pensar nos meninos os quais elas sabiam o nome e que poderiam se encaixar no pedido de Osvaldo. Os pais de Evandro estavam diretamente ligados à prefeitura, sendo sua mãe Maria trabalhando na Escola onde Evandro frequentava e o seu Pai Ademir na prefeitura. Logo, a família Abagge conhecia a família Ramos Caetano muito bem, e sabia o nome de seus filhos. Por um infortúnio Evandro se encaixava perfeitamente. Agora, colocando de lado o simbolismo do número 7, Evandro só estava na hora errada no lugar errado e fui abduzido pois era um menino. Pensem, proveniente de uma família humilde, os Ramos Caetano jamais pensariam que a família Abagge, a mais poderosa de Guaratuba faria uma coisa dessas. Mas sabe aquele negócio de é tão óbvio que ninguém nunca suspeitará? Pois então, mas o que eles não esperavam é que Diógenes estaria à espreita aguardando um passo em falso para que ele atacasse.
Eis que no dia 6 de Abril de 1992 por volta de 9:30 da manhã por um acaso (ou não, pois acredito que o menino Evandro não fazia aquele trajeto todos os dias naquele mesmo horário. Naquele dia ele não havia tomado café (ou esquecido o mini-game) e foi até em casa buscar na hora do recreio) enquanto passando pelas redondezas da casa dos Ramos Caetano, as Abagge avistam o menino Evandro indo pra casa e o seduzem com balas para dentro do carro. Voltando à simbologia do numero 7, lembrem-se de que o ritual seria feito no dia 7, logo elas deveriam ter o menino um ou dois dias antes apenas, pois o mesmo deveria estar vivo no momento do sacrifício e não teriam onde deixar o menino por um longo período de tempo caso o tivessem raptado por muito tempo antes de poder fazer o ritual.
Vale voltar um pouco no tempo para mencionar o relato de Diógenes dizendo que Osvaldo havia espalhado pela cidade que uma grande tragédia iria acontecer e iria virar a cidade de pernas pro ar. Aqui é a parte onde ele mesmo começa a entregar a corda pra que fosse enforcado mais adiante. Sabendo do ritual que aconteceria, já que as Abagge haviam concordado, Osvaldo viu aí a oportunidade de se tornar “famoso” pois ele haveria previsto um acontecimento antes que o mesmo houvesse ocorrido, OU, o mesmo de fato viu nos búzios que algo viraria a cidade de pernas pro ar, mas não sabia que ele estaria envolvido. Afinal, ninguém comete um crime esperando ser pego, certo?
Depois do rapto do menino Evandro no dia 6 começam os preparativos para o ritual no dia seguinte, dia 7. Airton Bardelli, já envolvido com Osvaldo por intermédio de Beatriz recebe a ordem de que no dia seguinte todos da serraria deveriam ser dispensados mais cedo às 6 horas da tarde, para que o trabalho pudesse acontecer às 7 (?). Aqui fica a minha duvida, e eu não sei responder essa questão de como Bardelli e Cristofolini entram no ritual. Será que apenas para composição de quórum, já que Osvaldo disse que precisariam de 7 pessoas? Osvaldo pediu à Cristofollini, seu então vizinho para que apenas os ajudasse compondo o grupo, e a mesma coisa à Bardelli por parte de Beatriz já que Bardelli estaria na Serraria e seria responsável pelos funcionários não estarem lá? Isso é uma das coisas que jamais saberemos. Porém, não acredito na parte que a serraria ficou fechada uma semana para que eles pudessem limpar o local e etc., qualquer idiota colocaria um pedaço grande de lona ou plástico para forrar o chão e não ter que lavar ou limpar o sangue depois. Se eles não o fizeram assim, foram burros – fica a dica pra próxima rs.
O Ritual acontece de acordo como relatado, onde o menino Evandro é oferecido em forma de sacrifício para um Exu (Não para o Diabo, não para Satã, não para nada disso). Acreditem ou não, mas Exus em sua grande maioria não são espíritos maus, são apenas mensageiros entre o mundo dos vivos e dos mortos os quais cobram pelos seus serviços (em forma de oferendas). Contudo, há também Exus de má índole, que são espíritos não evoluídos e que agem pelo lado errado da gira. Qual o Exu ao qual o menino Evandro foi oferecido, nunca saberemos. Após o ritual ser terminado os 7 deixam a serraria e Beatriz e Celina voltam pra casa, e Celina vai à tal festa com Aldo. Osvaldo, De Paula, Davi, Bardelli e Cristofolini se dirigem às suas casas. Aqui fica aquela confusão sobre o dia 6 ou dia 7, bar da dobradinha, jantar na casa de Antonio Costa. E também onde Andrea desmente o álibi de todos, pois diz ter visto Osvaldo e De Paula saindo com roupa de trabalho e sendo buscado por Beatriz. Mais um indício de que Osvaldo e Beatriz estavam tendo um affair o qual Andrea já sabia e por vingança não encobriu o seu namorado.
Voltando ao dia 6, após o desaparecimento de Evandro, sua família obviamente estava recorrendo a qualquer tipo de ajuda. Nisso chega a notícia no terreiro da mãe Hortência por meio de Davina de que o menino havia sumido e a família estava pedindo que pessoas se dirigissem à casa da família para orações. Não obstante, Vicente de Paula vai à casa dos Ramos Caetano e recebe a entidade que se propõe a ajudar porem não quer fazer naquele momento pois o “cavalo” não está com a roupa adequada. A entidade pede que o mesmo coloque sua roupa enquanto vai na “gira” ver se consegue achar o menino e que depois voltaria. Acho que é aqui que o resto está na casa de Antonio costa jantando após a sessão no terreiro. Depois do jantar quem vai ajudar na busca é Osvaldo com Davi dos Santos (que não é o “Cheiro” rs) junto com Davina e seu marido Mario. Quando a entidade pede que seja levada a uma rua que tenha palmeiras Osvaldo sinaliza que sentiu uma presença forte no final da rua perto do mato. Aqui na minha opinião, Osvaldo entrega mais um pouquinho de corda para ser enforcado na tentativa de fazer o seu nome como Pai-de-Santo. Depois da profecia de que haveria uma tragédia na cidade ele deve ter achado por bem profetizar a presença do menino naquela região pois já havia planos de desová-lo lá após o ritual. Porém isso foi mais uma bala na arma de Diógenes.
Cinco dias depois quando o corpo é encontrado no Sábado dia 11 de Abril a 30 metros do local onde Osvaldo havia sentido uma “presença forte”, as coisas começam a ficar suspeitas. Infelizmente o corpo encontrado está além do reconhecimento e fica difícil a confirmação porem como já sabemos o corpo encontrado está sem as mãos, sem alguns dedos dos pés, sem orelhas e olhos e sem órgãos internos incluído coração. E tudo isso é explicado nas doutrinas, a falta das mãos é para fortuna, do pênis para impotência, e assim vai. Não me recordo de todos. E é aqui que as coisas começam a ficar esquisitas e se esclarecer ao mesmo tempo. Mesmo que o corpo encontrado não seja de Evandro, seja de Leandro Bossi por exemplo. Os cortes citados, as partes faltantes do corpo são por coincidência de acordo com a doutrina de sacrifícios?! Não acredito, e tem mais, aqui cai por terra também a teoria de que Diógenes teria conspirado contra as Abagge. Pelos depoimentos de Diógenes ele se mostrou TOTALMENTE ignorante às religiões aqui envolvidas. Portanto, ele não saberia o que fazer com o corpo para que parecesse que um ritual de sacrifício tivesse sido realizado no corpo em questão. E mais, se hoje nem na internet se encontra tais instruções podemos imaginar em 1992. Só quem de fato é praticante há MUITOS anos tem acesso a como praticar tais rituais. Pois não é apenas pegar um corpo X cortar e tchau, como o nome diz é um ritual, portanto existem musicas, palavras a serem faladas dentre outras coisas e só quem estuda há um bom tempo sabe o que fazer.
Portanto quando Diógenes faz a sua denuncia no dia 29 de Maio de 1992 quase DOIS meses depois do ocorrido, ele se baseia em “fofocas” porém também em outros fatos, como sobre a do “Grupo Tigre” estar próximo à família Abagge durante as investigações. Se depois de dois meses ninguém sabe absolutamente nada, é porque alguma coisa tem, concordam? Depois da sua denuncia ao ministério público, o mesmo acha por bem colocar o “Grupo Águia” da PM em uma investigação paralela à da Polícia Civil que nada fez por dois meses. Aqui na minha opinião entra a parte onde Diógenes tinha sim uma agenda contra a Família Abagge. Por N motivos ele não gostava deles em especial à Celina que causou o divórcio de seus pais. Após ficar sabendo de tudo que ficou por intermédio de conhecidos, Davina, Edézio, Jorge Banana e cia, ele foi mais do que correndo colocar a sua denuncia pois então ainda que não tivesse provas concretas pra ele tudo aquilo fez sentido e ele tinha nas mãos o que sempre quis.
Não acredito que as testemunhas tenham mentido a pedido de Diógenes. E entendo o fato delas não terem se pronunciado no dia, ou dias depois. Morando numa cidade pequena onde todos se conhecem, a família mais poderosa e talvez mais rica da cidade se envolve num crime hediondo desses, você se pronunciaria? Eu não me pronunciaria, e é a verdade. No caso de Edézio, ele ficou sem saída porque seu amigo Hamilton ao qual ele havia confidenciado ter visto as Abagge raptando o menino Evandro contou ao Diógenes que por sua vez deve ter obrigado ele a prestar depoimento do que havia visto. Não há nada de estranho nisso. A mesma coisa com o Jorge Banana, se eu estou pescando e vejo um saco cheio de restos mortais do que poderia ser um feto, meu barco viraria uma lancha de tão rápido que eu sairia de lá. E com peixe ou sem peixe no meu barco eu JAMAIS puxaria o saco pra dentro do barco. E é isso que talvez destrua a credibilidade das testemunhas, o MEDO. Ninguém quer admitir que tem medo, mas a grande maioria das pessoas tem, e por não querer admitir isso em juízo ou em depoimento acaba passando por mentiroso. Pois é muito fácil falar, “Ah, mas você viu que tinha mãos dentro do saco, cabelo e não pegou o saco?!”. Não, eu também não pegaria. Agora, se eu soubesse do que tinha acontecido (Coisa que Jorge Banana não sabia à época do ocorrido), e visto um saco com as coisas eu chamaria a policia sem dúvida alguma, porém se não soubesse, aquele saco de cal iria ficar lá pra sempre.
Finalmente chegamos às prisões dos dias 1,2 e 3 de Julho de 1992, onde os 7 acusados são presos. Aqui eu vou ser bem sucinto e explicito nas minhas opiniões. Eu acredito que todos tenham sofrido tortura sim, sem sombra de dúvidas. Porém pra confessar aquilo que de fato haviam cometido porque jamais confessariam de uma outra forma. Não defendo tortura e não acho que esse deveria ter sido o caminho a ser seguido. E acho que a maneira com a qual a PM conduziu as prisões e os interrogatórios foi o que estragou o caso. Se eles não tivessem torturado os réus a argumentação da promotoria teria sido muito mais forte e o único argumento da defesa seria o de que o corpo encontrado não era o de Evandro.
Agora as perguntas que ficam e talvez a chave de todo esse mistério é, se o corpo encontrado não é o de Evandro como afirma piamente até hoje o Delegado Luis Carlos de Oliveira, porque os acusados colocaram as roupas de Evandro no cadáver? O que eles tentaram fazer aqui? Encobrir uma morte com outra? Desovar o cadáver de Leandro Bossi que estava na geladeira que a Celina tirou da serraria como relatou Teresinha e por isso tinha marcas roxas e já estava em estado de putrefação como se fosse Evandro? O que vocês acham? Isso vai ficar no imaginário de cada um, pois nunca saberemos.
submitted by d3rr1c53xpl0r3r to ProjetoHumanos [link] [comments]


2018.11.20 08:39 cant_change_name Duas dicas importantes para vida.

A primeira dica é: não divida apartamento com amigos. Pelo menos não sem ter o devido respaldo legal e todas as formas possíveis de se resguardar, além de atuar de forma preventiva, seja com contratos, documentação, pagamentos, etc.

Segunda dica é: não arrange briga com a galera do cinema, eles são ótimos em construir narrativas.

Prejuízo total: - R$3,6K, um emprego e alguns kg a mais.

No final de 2017 terminei um relacionamento de 7 anos, por nenhum motivo específico se não que pelo desgaste natural da relação. Vivíamos juntos de aluguel, em um apartamento com 2 quartos com dependência de empregada, com um aluguel justo ou até um pouco a baixo da média da região. No término, ela fez questão de resolver tudo o mais rápido possível, o que incluía se mudar e retirar o nome dela do contrato de locação (estava em nome dos 2) e também retirar a avó dela como fiadora. Justo! Por coincidência estava justo no período de renovação do contrato, então não haveria problemas com multa e transferência. Transferência essa que aconteceu de forma super tranquila, assinamos os papéis, a imobiliária aceitou meus documentos de renda e a nova forma de aluguel (agora com seguro fiança). Isso fez com que fosse gerado um novo contrato (30 meses, sendo a partir de 12 meses saída sem multa). Apesar da separação, eu estava bem. Quis ficar no mesmo apartamento mesmo com as memórias que ele trazia, tirando os vizinhos de cima que faziam lual no domingo estava tudo show.

Agora que começa o fim.

Tive a brilhante ideia de trazer amigos para morar comigo. Minha intenção desde o começo era ter uma espécie de casa-empresa. Meio que como morar no trabalho. Esses amigo sendo do audiovisual e eu do design, praticamente uma agência estava para ser criada, na minha cabeça.

Primeiro veio um, um mês pra frente veio o outro. Nisso entram vários pormenores que posso esquecer de comentar, mas que no fim acabam pesando lá pra frente de uma forma ou de outra, nem que seja para ajudar na perspectiva das partes. Por exemplo: todos os móveis eram meus. O primeiro a se mudar, que vamos chamar de "Olevon" tinha hábitos de higiene questionáveis. Pra história geral é menos importante entrar em detalhes sobre a higiene, mas digamos que as panelas ficavam inutilizáveis. O segundo tinha hábitos de higiene normais e por várias vezes encobria o amigo, literalmente salvando a loça de ir para o lixo (por vezes eu também lavava). Tudo isso era janeiro/fevereiro de 2018. Brasil, início de ano, carnaval... Tínhamos alguns projetos mas nada andava, falávamos sobre mas não fazíamos de fato. Estávamos prospectando um cliente na época e tivemos algumas reuniões sobre o assunto. A parte disso, eu havia indicado esse amigo de infância, que vamos chamar de "Dimonho" para um freela no meu trabalho. Confesso que a vaga era um pouco arrombada, porém eu sabia que a empresa não estava contente com o fornecedor atual e qualquer um que chegasse apresentando um bom trabalho levava. Em suma, esse projeto levou um mês para ser entregue após a captação de imagens (era para montar um time-lapse de uma exposição), o que me deixou um pouco desconfortável no serviço. Ok, acontece.

Como eu dizia, a princípio era tudo bom, tudo novidade, víamos alguns filmes, conversávamos sobre algum assunto do momento, fazíamos uma janta e tudo certo. Porém os 2 tinham uma vida social ativa dentro da faculdade e frequentemente faziam reuniões em casa com os amigos. Não havia problemas, até que havia problemas. Quando nenhum dos 2 trabalhavam, passavam em casa, não arrumavam nada, eu chegava em casa do trabalho e tinha visita além da casa bagunçada, começava a ter problema. Ainda mais quando todo dia tinha visita. Houve diálogo e a parte da bagunça foi amenizada, porém as visitas foram evoluindo para reuniões noturnas, até virarem praticamente festas.

Eu tinha horário normal de trabalho, acordava cedo, voltava no fim do dia, precisava descansar. Infelizmente qualquer som na casa tornava inviável o descanso, já que o corredor fazia a ligação direta da sala para o quarto. Com o tempo foram fazendo cada vez menos questão de reduzir o ruído.

Várias situações complicadas no meio disso, como a vizinha reclamando do cheiro de "ilícitos", como ela chamou, afetando suas duas crianças pequenas. Ou o dia que Olevon chegou em casa as 4 horas da manhã, com visitas e resolveu que era um ótimo momento para um karaokê a plenos pulmões.

Nesse momento, eu, otário, além de cuidar e pagar as finanças da casa adiantado (eles me repassavam depois), também era o único responsável no grupo do zap do condomínio, onde nesse dia ninguém ficou contente com o ocorrido.

Olevon sabia da cagada que havia feito, ficou uns dias de cabeça baixa e pediu desculpas. Dada as condições de desemprego, baderna, ilícitos e nenhum projeto andando de fato, ficou claro pra mim que era momento de desistir, aquilo não iria se tornar produtivo. Alertei que começaria a buscar apartamento. Não com o tom de ameaça, pelo contrário, nessa parte entra um grande erro meu...

Pra mim de certa forma era importante que os caras tivessem a liberdade deles, em parte eu gostava de imaginar que estavam fazendo cagada justamente por estar nesse vislumbre de vida adulta "independente". Eu havia convidado eles para ir lá, então não achava correto expulsá-los de volta a casa dos pais (devia ter feito), inclusive o Dimonho me sugeriu fazer isso, na boa, porém dei essa mesma explicação que dou aos senhores.

Separar e ficar na mesma casa era ok, mas além disso ter tentado morar com amigos e não dado certo já me parecia demais.

Combinamos então que eles transferiram o AP e as contas para o nome deles, já que queriam ficar. Também tinha um amigo em comum nosso que recém havia perdido o pai e procurava um lugar para morar, além que seria bom para esse amigo não ficar sozinho. Esse amigo estava disposto a "botar ordem no galinheiro", coisa que eu não estava. Me falavam para reclamar quando faziam algo errado, mas quando eu reclamava mesmo que concordassem no momento, não era seguido.

Dado esse aviso prévio de mudança, sai de lá em abril. Deixando apartamento, conta de luz e telefone no meu nome, teoricamente para ser transferido em seguida.

Você já viu onde isso irá parar né?

Antes da minha mudança, o Dimonho, meu amigo desde a 4° série aproximadamente (hoje com quase 29 anos) resolveu dar uma festinha plus, onde chamou mais gente, ouviu som mais alto e ficou até mais tarde, impedindo meu sono (era um dia de semana). Nesse momento o clima já não era mais o mesmo, quando questionado sobre, Dimonho disse que havia feito para me prejudicar mesmo, que estava sentido pois eu havia convidado ele para morar junto e agora estava indo embora. Ah, lembra dos móveis? Não houve nenhum prejuízo particular nessa última festa, porém com o fumo era constante, o sofá ficou um pouco esburacado. Acho que tudo bem, acontece né? Fui otário em tantos outros aspectos que nem tenho pq encasquetar com isso.

Vale ressaltar que eu havia começado um novo relacionamento e aproveitaria essa mudança para também, pq não, morar com essa pessoa.
Fica óbvio para qualquer pessoa que as contas e contratos devem ser transferidos, já que não moro mais lá, certo? Eu sabia que haveria uma multa em caso de rescisão do contrato, eu estava disposto a arcar com ela se eles preferissem sair do AP pq eu iria sair. Como eles decidiram ficar, deveriam transferir o contrato.

Bom, nessa de pagar adiantado as contas, ficaram algumas pendências, além das transferências de nome.

Nessa parte entraria toda uma questão aqui de datas, contatos, provas... mas para não ser mais pedante, o óbvio aconteceu: apesar das minhas constantes cobranças ao longo de meses, nenhuma conta foi transferida ou paga.

Por um pouco de sorte, esse 3° amigo que se mudara ficando no meu lugar, era mais responsável e por muitas vezes intermediava a comunicação, lembrava eles dos valores, comentava sobre transferir as contas, etc.

Depois de alguns meses eu consegui reaver os valore das contas pendentes, porém não tive progresso com as transferências.

Meu novo AP teve muitos problemas, a mudança as pressas me cegou um pouco para a escolha, e somando isso a ter que cobrar os colegas para transferir as coisas, fui aos poucos quebrando. Já não rendia mais no trabalho, não dormia de noite, passei boa parte desse período com azia, por sorte acho que não desenvolvi nenhuma úlcera.

Com a não transferência das contas, o que eu podia notar era um acúmulo de pendências. Telefone 3 meses atrasados, aluguel 2 meses acumulado, luz por sorte logo o 3° elemento logo conseguiu passar para o nome dele.

Eu tinha minhas contas mais a dos meus "filhos", no papel, também eram minhas contas.

Nesse desespero de contas acumulando no meu nome, sabendo que isso poderia apenas piorar progressivamente, fui falar com o pai do Dimonho, que conheço basicamente também desde a infância, frequentei a casa, etc.

O pai é uma pessoa muito correta, advogado, de origem humilde que trabalhou seu caminho para o sucesso na vida. Em uma conversa amigável, explico a minha situação, e apesar de ele um pouco relutante com os aspectos negativos do filho, me diz que poderia ficar tranquilo, que aquilo seria uma responsabilidade dele e que eu não deveria mais me preocupar.

Um pouco de respiro.

Dada a forma com que os ex-colegas de casa reagiam as cobranças das transferências, eu suspeitava fortemente que esse contato com o pai do Dimonho acarretaria em represálias, já que os 2 por vários períodos de suas vidas tiveram uma relação conturbada. Como após inúmeras cobranças nenhuma atitude havia sido tomada, com a tranquilização e tomada de responsabilidade pela parte do pai, bloqueei o zap tanto do Olevon quanto do Dimonho. Eu sabia que ouviria alguns desaforos de graça e ainda teria as contas pendentes.

Dito e feito.

Momentos mais tarde, por meio do 3° morador e intermediador me ligam. Quando endagado sobre diálogo eu me exalto, digo que não havia necessidade de diálogo (já que eu vinha tentando a meses), que havia todas essas contas pendurada mais a dívida do 3° elemento e que se soubesse a novella que estava por vir, teria apenas pago a multa e entregado as chaves e que eles precisavam ou transferir de uma vez, ou sair. Naquele momento considerando que podiam acumular mais meses e meses de aluguel, eles apenas desaparecerem o quanto antes poderia ser uma perspectiva melhor do que parecia estar por vir. Eles questionam se eu estava tentando dar algum tipo de golpe no pai do Dimonho (as narrativas!) e logo em seguida me xingam de várias coisas, dentre elas de não ser homem pra conversar sobre.

Pensei que não seria otário, fui otário.
Pq sim, eu havia sido mais otário ainda!

Outra coisa que fiz no desespero das contas acumulando foi tentar tirar o nome do 3° elemento do SPC para assim ele poder transferir tudo para o nome dele já que os outros jamais o tinham feito. Porém não rolou, nem transferir nem receber esse dinheiro de volta, R$1.8K (mas esse eu ainda tenho fé).

Eu havia me mudado em abril e essa comunicação se deu por meados de setembro.

Sou informado praticamente um mês e meio depois que vão se mudar e o AP será entregue. Agora começam as preocupações com contas pendentes, reforma para entrega e multa contratual.

Minha mãe se envolve para agilizar o processo, que já angústiada ela também a algum tempo. Nos reunimos novamente com o pai onde ele reforça os votos de que irá cumprir com o que for justo e a parte do filho dele.

Se mudaram. Começo eu juntamente com o 3° elemento o processo de reforma e entrega do AP. Orçamento, contratação, pagamento, agendamento, vistoria. Tudo comigo, que não morava la desde abril.

Ao mesmo tempo que faço isso, presto contas com comprovantes para o pai de Dimonho. Como já inventaram que eu estaria planejando um golpe, melhor não arriscar.

Entregue o AP, hora de pagar os 2 aluguéis atrasados e a multa de rescisão.

Surge uma proposta de acerto de contas / lavação de roupa suja, meio que como uma premissa de esclarecer que contas estavam pendentes e quais eram as responsabilidades de cada um. Eu enviava os documentos da imobiliária, dividia os valores de acordo com as % definidas por eles, separava quanto que era a parte de casa um de acordo com o boleto que havia enviado para eles, mas de alguma forma para eles aquilo estava "nebuloso".

Fizemos a reunião, e no final concordamos que eles pagariam sua parte proporcional ao tempo de estadia da reforma, juntamente com os aluguéis pendentes inclusive os dias extras da reforma. Não concordamos quanto a multa, já que ela existia apenas pq eles se precipitaram em sair ao invés de transferir. Porém me dispus a pagar mesmo não concordando, já que não aguentava mais essa história.

Porém nessa reunião que foram criadas e reforçadas várias narrativas, que infelizmente não tenho como provar todas como negativas, no máximo tenho prints contrários ao que foi comentado.

Uma delas seria que eu havia me mudado pois havia arranjado uma nova namorada e queria morar com ela.
- Apesar de ter aproveitado a ocasião para isso, nunca foi o motivo principal da minha saída, já que as festas/reuniões só se intensificam. Inclusive anunciei minha busca por APs logo após o episódio do karaokê.
Outra das narrativas seria que eu havia bloqueado a comunicação e portanto impossibilitaria qualquer forma de pagamento, transferência ou conhecimento sobre o prazo do contrato e multa.
- De fato eu havia bloqueado a comunicação, do zap. Eles ainda tinham meu endereço, telefone, e-mail, contato da imobiliária para tirar dúvida, contato do 3° elemento que não havia sido bloqueado. Entendo que cada um deve saber suas responsabilidades. Não era através de mim que as contas eram pagas, apesar de estarem no meu nome.
Na ligação telefônica após falar com o pai, também surgiu a narrativa que eles estariam lá de favor para ficar até o fim do contrato, assim me isentando da multa.
- Quantos favores desse tipo vocês já fizeram sem pedir ou conhecem alguém que fez sem ser solicitado? Eu disse de forma clara em um aniversário de amigos nossos que pagaria a multa naquele momento se eles quisessem entregar (antes d'eu sair), mas que se quisessem ficar teriam que transferir os docs. Nunca houve uma conversa do tipo "fiquem pq eu não posso pagar a multa agora".
Como eu cito a situação acima na ligação telefônica, eles agora entendem que "ah ele paga a multa então, podemos sair!".
- Ainda ficam aproximadamente um mês e meio procurando um novo lugar, mas sairam pq se sentiram expulsos de lá e livres da multa. Eu estava cobrando uma posição desde fevereiro sobre os documentos, e eles só se sentiram impelidos a sair quando eu literalmente falo "ou vão transferir ou sair" pq tinha meses de aluguel acumulando no meu nome?
A multa de quebra contratual seria um resíduo da minha separação e não uma responsabilidade deles.
- Juridicamente, sim. Porém não haveria multa se: tivessem transferido ou tivessem esperado o contrato vencer, se mudaram coisas de 3 meses antes do fim, eles mesmo concordaram que se soubesse não teriam se mudado. Sabe como poderiam saber? Ligando para a imobiliária, ligando pra mim, perguntando pro 3° elemento.
Depois da reunião, os últimos boletos estavam por vencer e combinamos de pagar as contas nas semanas seguintes. Fiquei cobrando e atualizando sobre as informações, além de prestando conta dos valores no grupo de zap. Aconteceu o que acontecia antes, lá por abril, março... Dias sem resposta, respostas vagas, um "amanhã" que não chega e contestações dos valores. Esperado.

O Dimonho por sorte pagou sua parte completa, apesar do atraso. O 3° elemento pagou uma parte sua e cobriu um pedaço do Olevon. Desde a reunião, Olevon mandou mensagem no grupo algumas vezes dizendo que estava atrás do dinheiro para quitar a divida.

Hoje, último dia do último boleto atrasado, Olevou decidiu que não se sente responsável pelas contas, que havia conversado com a sua mãe, que isso era uma dívida do meu divórcio e que eu não estava sendo responsável com os meus problemas, com quase 30 anos na cara.

Olevon, que na reunião havia reforçado inúmeras vezes que tomaria a mesma providência que Dimonho, que havia ficado meses sem transferir uma conta de luz que havia se responsabilizado, que havia ficado meses devendo valores para o 3° elemento (que também adiantava as contas, mas pior, nem recebia deles). Olevon que agrediu físicamente o 3° elemento ao ser cobrado das contas dele que o 3° havia pago. Olevon que vinha desde a reunião dizendo que estava fazendo de tudo para arcar com a sua parte, subitamente sentia que não tinha mais responsabilidade sobre o aluguel atrasado de quanto ele estava morando lá. Olevon disse que eu deveria ter vergonha na cara e autocrítica de estar importunando a família dele sobre esse caso (eu de fato envolvi a família de todos depois de exaurir as tentativas de resolver, ele foi a única que ele fez questão de deixar incomunicável).

Como eu havia dito, existem vários pormenores sobre cada elemento que podem alterar a visão para um lado ou para outro, porém esse é o resumo dos fatos, alguns com provas outros não.

Fico eu com uma dívida para ser paga hoje, de "amigos" que abusaram de toda minha boa vontade, auxiliados por suas famílias (nenhum dos 2 trabalha), incapazes de tomar as rédeas das próprias vidas, distorcendo a narrativa sempre se colocando como vítimas minhas. De acordo com Ovelon, estou deixando ele ofendido e magoado.

Enquanto eu tenho um prejuízo de aproximadamente R$4k, uma demissão e um nervoso constante (5h30 da manhã escrevendo isso).

TLDR: amigo+conhecido moram junto um tempo, infernizam e depois dão um calote com pitadas de fake news.

Perdoem a Bíblia, para algum lugar tinha que ir esse desabafo.

Eai a semana de vocês parecia que tinha começado ruim?
submitted by cant_change_name to desabafos [link] [comments]


2015.09.15 17:08 zzay A necessidade de estar na Luz [Blog Post]

Há uma diferença entre gostar de ir ao Estádio da Luz e precisar de ir ao Estádio da Luz.
É algo que se desenvolve quando ainda somos muito novos e ingénuos. A minha mulher gosta de ir à Luz ver uns jogos de vez em quando, por exemplo. Eu preciso de lá estar sempre que há jogo oficial. Foi por aqui que começaram os meus verdadeiros problemas familiares, escolares, sociais e, mais tarde, até amorosos. Um caminho feito até ao equilíbrio e à estabilidade emocional que tenho hoje porque fiquei com as pessoas que souberam compreender e viver com esta minha necessidade.
Tudo começou comigo muito novo. Os meus pais vivem na rua em frente à lendária pastelaria Califa. Entre a casa onde vivi uns trinta anos e o Estádio da Luz só haviam uns prédios e umas terras a separarem-nos.
Muito cedo ouvi e vi como se sentia o Benfica porque o meu avô, pai da minha mãe, gostava de ir lá a casa ver os jogos da Luz na televisão. Eram momentos raros, só de vez em quando tínhamos a sorte de ver futebol na televisão. Logo nos primeiros encontros na sala lá de casa para ver a bola fiquei fascinado com a intensidade com que o meu avô vivia o jogo. Também o padrinho da minha irmã vivia alegremente o Benfica e só aparecia em jogos fora da Luz porque em casa ia ao estádio.
Numa dessas noites de ajuntamento ao jantar lá em casa, fui à janela, no 6º andar onde vivia, e tive uma visão que mudou a minha vida. Fiquei fascinado ao olhar em direcção do estádio e vislumbrar um imponente clarão a interromper o escuro da noite. Eram as luzes daquelas maravilhosas torres de iluminação da Luz. Desenvolvi muitos pensamentos enquanto puxava pela imaginação e juntava o que via na televisão, ouvia na rádio e conclui que devia ir ser mais emocionante no estádio que estava ali tão perto.
Fiquei mais uns minutos já com o jogo a decorrer e acontece outro momento que ajuda a mudar a minha vida. Ouvi um bruá impressionante que até me assustou, corri para dentro e ainda vejo na televisão o Benfica a fazer um golo. O festejo da multidão chegou-me primeiro ao ouvido pela janela do que o golo aos meus olhos! Fiquei fascinado. Amigos e familiares riam-se mas nem se aperceberam que estava ali a nascer um benfiquista necessitado de Luz.
Com o futebol de rua, os jogos de Subbuteo e a aproximação ao meu avô, e ao padrinho da minha irmã, verdadeiras enciclopédias de Benfica e futebol, os sentimentos desenvolveram-se. Lembro-me que passei a ouvir os relatos da Luz de janela aberta na varanda para ouvir o bruá da multidão nos golos.
Até que o grande dia acontece, o padrinho da mana lembra-se de me convidar para ir com ele à Luz. A. Foi a 29 de Agosto de 1979, na 1º jornada do campeonato, que o Benfica venceu por 5-1 o Vitória de Setúbal. Como Nené fez três golos fiquei com a ideia que tinha marcado todos porque a minha atenção dispersou-se muito além do relvado. Fiquei maravilhado com tudo. Com as bancadas, com os apanha bolas vestidos de amarelo, com as bandeiras dos clubes num mastro atrás da baliza, com os comentários ao meu lado, com os festejos, com os gritos de incentivo, com o Terceiro Anel, com as torres de iluminação vistas de dentro, com o impecável relvado, com o Bento ali à minha frente, com os nogás e as queijadas de Sintra. Com o Benfica.
Saí dali apenas com uma certeza aos 5 anos de idade: nunca mais quero perder um jogo na Luz!
Não foi uma tarefa fácil. Durante a infância dependia sempre do padrinho da minha irmã, agora também meu padrinho de Luz, para me levar. O maior drama foi na 1ª mão da Taça UEFA com o Bétis quando telefonou a dizer que não podia ir. Fui para a janela ver aquela rumaria incrível do povo benfiquista que desaguava na paragem de autocarros no fim da minha rua e depois ia a pé para a Luz. Chorei desesperado. Os meus pais assustaram-se com o choro e fui salvo pelo pai do padrinho que lá me levou para a Luz. Fomos até à final da competição.
Mais tarde comecei a ir sozinho ou com vizinhos. Chegava ao Estádio e pedia para entrar com um adulto. Fácil. Por isto é que só me fiz sócio em 1984 quando a minha elevada altura começou a não permitir uma entrada tão fácil.
As más notas na escola também começaram a atrapalhar os meus planos de fim de semana no Estádio. Os meus pais perceberam que o único castigo que me torturava era o impedimento de ir ver o Benfica. Fui sempre contornando mas não foi nada fácil.
Pior foi já em idade adulta quando começaram a aparecer os primeiros namoricos. Ao principio tudo muito engraçado, todas compreendiam a militância até ao dia em que vinha a pergunta fatal: mas olha lá, o jogo é com o Penafiel e tu tens de ir? Se fosse o Sporting ou Porto, ainda compreendia mas assim...
A resposta era sempre a mesma: é um jogo que vale 3 pontos como os outros. O que interessa vencer os rivais se não ganharmos aos outros?
Antecedia a frase já bem popularizada: a minha namorada desafiou-me - ou o Benfica ou eu. Às vezes tenho saudades dela. É um pouco isto.
Depois veio a vida profissional e os problemas dos jogos em dias úteis. Sempre consegui dar a volta de maneira a estar na Luz a horas.
Fui explicando ao longo da vida que não valia a pena insistirem para ir a jantares, almoços, eventos familiares ou sociais se houvesse jogo na Luz. Ou ia antes do jogo ou aparecia depois do jogo. Durante a partida tinha que estar no estádio para o bem de todos.
Tenho uma paixão por música ao vivo e só troco um concerto que queira muito ir ver por um jogo do Benfica na Luz. Aconteceu na noite dos Nirvana em Cascais. Ganhámos ao Porto e nunca me arrependi de ter ido à Luz.
O chamamento é muito mais do que um jogador, uma competição, um treinador ou um jogo. O chamamento são aqueles segundos absolutamente mágicos em que estou no meu lugar à hora em que os jogadores, sejam eles quais forem, começam a entrar no relvado com as cores do Benfica. É um momento zen. É um reset emocional. É o estado puro da alma benfiquista. Não interessa de onde viemos, para onde vamos. Não interessa como foi o último ano ou último jogo, não interessa quem partiu ou quem chegou. O que interessa é que estão ali onze homens com o emblema glorioso ao peito e eu estou ali com eles. Tal como em 1979 pela primeira vez. Tal como antes desse dia quando acompanhava os jogos pela rádio à janela. Tal como no antigo estádio quando me arrepiava ao ver a equipa subir as escadas e desatar a correr relvado fora até à vénia em frente ao Terceiro Anel. Tal como hoje quando se canta o hino e vê a águia Vitória.
Já tive que falhar alguns jogos oficiais na Luz desde a primeira vez que lá entrei. Sei todos de cabeça e os motivos de cada um. Razão mais do que suficiente para não querer falhar mais nenhum. Assim a vida o permita.
in redpass
Eu também sou assim. Para mim a angústia maior é mesmo o interregno do verão em que não temos jogos e só há jornais a inventar notícias...
submitted by zzay to benfica [link] [comments]


PERMISSÃO PARA NAMORAR A primeira namorada - Angelo Máximo - 272 - Com letra REAGINDO AS MENSAGENS DO DIRECT DA MINHA NAMORADA NO INSTAGRAM Primeira Namorada - Sorriso Maroto - Cavaquinho MINHA NAMORADA ESTÁ GRÁVIDA? PRIMEIRA COMPRA NO SUPER MERCADO  Casando aos 17 Gabi ... Casal Craft #29: A CHERRY ZEROU O MINECRAFT PELA PRIMEIRA ... Primeira Namorada - PacoteBasico Conheça a primeira namorada de Roberto Carlos: Como ela ... Mulher surda ouve pela primeira vez aos 29 anos! Emocionante

Namorada de Marta enfrentou o câncer de mama aos 29 anos e ...

  1. PERMISSÃO PARA NAMORAR
  2. A primeira namorada - Angelo Máximo - 272 - Com letra
  3. REAGINDO AS MENSAGENS DO DIRECT DA MINHA NAMORADA NO INSTAGRAM
  4. Primeira Namorada - Sorriso Maroto - Cavaquinho
  5. MINHA NAMORADA ESTÁ GRÁVIDA?
  6. PRIMEIRA COMPRA NO SUPER MERCADO Casando aos 17 Gabi ...
  7. Casal Craft #29: A CHERRY ZEROU O MINECRAFT PELA PRIMEIRA ...
  8. Primeira Namorada - PacoteBasico
  9. Conheça a primeira namorada de Roberto Carlos: Como ela ...
  10. Mulher surda ouve pela primeira vez aos 29 anos! Emocionante

Mulher surda ouve pela primeira vez aos 29 anos! Emocionante ... Ouvindo pela primeira vez (Implante ... - Duration: 27:29. ThePsicoVideo Recommended for you. 27:29. TOP 10 MOST ... Como pedir a mão da namorada aos pais - Duration: 2:34. Xande Cabelo CÊ TÁ DOIDO 8,215 views. 2:34. FUI PEDIR ELA EM NAMORO PRO PAI E OLHA NO QUE DEU! - Duration: 5:36. 50+ videos Play all Mix - A primeira namorada - Angelo Máximo - 272 - Com letra YouTube A Menina do Suburbio - Fernando Mendes - Duration: 3:26. Jim Alves 3,813,249 views DEIXEI MINHA NAMORADA COM MUITO CIÚMES - Duration: 6:35. Paulo e Aline 1,668,645 views. ... COMO BEIJAR BEM DE LINGUA PELA PRIMEIRA VEZ! - Duration: 10:38. Paulo e Aline 2,356,996 views. A primeira namorada de Roberto Carlos é uma famosa atriz dos anos 80. Maria Gladys falou sobre a relação com o cantor e contou como vive hoje longe da fama. ... 50+ videos Play all Mix - Primeira Namorada - PacoteBasico YouTube Sorriso Maroto-A primeira namorada-Novo DVD - Duration: 3:46. Ana Paula Guimarães 51,385,880 views Chegou a hora do Casal Craft zerar o Minecraft! Confira a épica batalha em dupla de Jazz e Cherry contra o Ender Dragon!!! Episódio Anterior: http://bit.ly/... CORTEI O CABELO DA MINHA NAMORADA E DEU MERRRRDA ... NOSSA PRIMEIRA VEZ - Duration: 10:24 ... Abner e Ste 2,716,684 views. 8:17. COMO MINHA MAE FALECEU AOS 29 ANOS - Duration: 23:36. Bianca ... Método Básico e Fácil para Cavaquinho - Com tablatura e cifras da Música Primeira Namorada, do Grupo Sorriso Maroto, CD - É Diferente - 2007. CAIXA POSTAL 52524 CEP 080971 SÃO PAULO - SP Instagram: https://www.instagram.com/gabimagsan/ Facebook https://www.facebook.com/casandoaos17gabimagsan/